Home Notícias Óleos essenciais: Conselho Federal de Farmácia alerta sobre o uso; entenda

Óleos essenciais: Conselho Federal de Farmácia alerta sobre o uso; entenda

O Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim), do Conselho Federal de Farmácia (CFF), fez um alerta muito importante essa semana, sobre o uso de óleos essenciais por conta própria.

No entanto, o órgão explica que, apesar de serem um produto natural, se usados em excesso, ou sem indicação médica de dosagem específica, podem causar muitos malefícios para a saúde.

Óleos essenciais
Óleos essenciais requerem cuidados. Foto: Freepik.

Segundo a farmacêutica e doutora em Ciências Farmacêuticas pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Carolina Maria Xaubet Olivera, óleos essenciais são muito indicados para solucionar alguns problemas de saúde, mas ainda assim, não podem substituir os medicamentos tradicionais.

“Alguns estudos comprovam os benefícios dos óleos essenciais no alívio do estresse, ansiedade, melhoram o humor, bem como a qualidade do sono, e diminuição de náuseas e vômitos pós-operatórios.

Leia mais: Hábitos saudáveis: como mudar a sua vida por completo

Tudo em excesso faz mal!

Do mesmo modo que tu em excesso faz mal, assim acontece com os óleos essenciais. Alguns são cancerígenos, conforme explica Oliveira.

“Eles podem ser fototóxicos, hepatotóxicos, neurotóxicos e nefrotóxicos. E outros ainda podem causar sensibilização e irritação. Embora sejam produtos naturais, é de vital importância que sejam manuseados com o conhecimento necessário para garantir o seu uso seguro e eficaz”, esclareceu a profissional.

Óleos essenciais: Benefícios e malefícios

Embora ainda não existam regulamentos sanitários específicos que se apliquem aos produtos aromoterapêuticos – como os óleos, por exemplo – é necessário que se redobre o cuidado ao uso destes itens, para gestantes, idosos e crianças, que acabam sendo mais vulneráveis.

Ainda conforme a farmacêutica do CFF, “Os óleos essenciais não devem entrar em contato com os olhos e as mucosas, e muito menos devem ser aplicados puros na pele. É sempre melhor diluí-los em óleo inerte (vegetal ou mineral), loção ou creme de base adequados. Também é recomendado manter esses produtos fora do alcance das crianças e evitar a exposição à luz solar direta. Os óleos essenciais cítricos nunca devem ser expostos aos raios UV, pois são fotossensíveis”, orientou.

Em síntese, os profissionais da área da saúde que estão habilitados a orientar sobre o uso de óleos essenciais, são: farmacêuticos, psicólogos, fisioterapeutas e médicos.

Respeitando, claro os limites de atuação de cada um, além do quadro, necessidades e capacidades individuais de cada paciente.

Fonte: Comunicação do CFF

Gostou desta matéria? Acompanhe nossas redes sociais:  Facebook, InstagramTwitter Pinterest.

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

Avatar
Lina Obaid
Jornalista, graduada pela Unic (2016). Pós graduada em Marketing e Comunicação, pela Faipe (2019). E no momento, estudante de Direito pela Unifama (1° semestre)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Os mais lidos

Dieta sem glúten: entenda porque ela faz bem à saúde

De acordo com profissionais de saúde e nutrição, adotar uma alimentação sem glúten é possível e pode ser extremamente benéfica a portadores da doença...

Descubra o que é necessário antes de iniciar atividade física

A atividade física é fundamental para qualidade de vida e prevenção de doenças, sendo recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas antes de...

Violência financeira contra o idoso; entenda mais e fique atento

A violência financeira contra idosos atinge diversas vítimas podendo ser devastadora e, em muitos casos está atribuída a familiares, amigos de confiança e cuidadores,...

Evento sobre doação de Medula Óssea acontece nesta sexta; saiba mais

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) promove a 1ª Jornada sobre Doação de Medula Óssea nesta sexta, Dezoito de Setembro (18.09. 2020). O evento...