Alimentos ultraprocessados podem ser prejudiciais à saúde, descubra o porquê

0
222
alimentos ultraprocessados
Alimentos ultraprocessados podem ser prejudiciais à saúde, descubra o porquê (Foto: Pixabay)

Atualmente, existe um guia de alimentação no Brasil e, nele, existem críticas direcionadas a alimentos ultraprocessados. Porém, o Ministério da Agricultura liberou uma nota técnica, na qual é solicitada uma revisão no guia em questão, para que as críticas a esse tipo de alimento sejam retiradas. Confira detalhes nesta matéria feita pelo Saúdelab.

alimentos ultraprocessados
Alimentos ultraprocessados podem ser prejudiciais à saúde, descubra o porquê (Foto: Pixabay)

Leia mais: Uma dieta saudável na pandemia: USP afirma que brasileiros adotaram novos hábitos

O Guia Alimentar para a População Brasileira critica alimentos ultraprocessados

De acordo com o Guia de alimentação disponibilizado pelo Ministério da Saúde em 2014, o consumo mínimo de alimentos ultraprocessados é fortemente defendido. Em síntese, o Guia defende que alimentos in natura sejam sempre priorizados e que os consumidores “descasquem mais e desembalem menos”.

Como resultado, uma dieta rica em legumes, frutas, vegetais e cereais integrais é recomendada pelo Guia. Além disso, o consumo reduzido de carnes e alimentos ricos em gordura também é proposto.

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) elogiou e considerou como um dos mais completos o Guia de alimentação brasileiro no ano de 2016 e comparou-o a outros Guias como os da Suécia, do Qatar e da Alemanha, que são referências mundiais. 

O que são alimentos ultraprocessados e quais seus malefícios à saúde

Os alimentos considerados ultraprocessados são fabricados através de uma mistura com altos teores de açúcares, gorduras, sal e conservantes. São considerados ultraprocessados os refrigerantes, biscoitos industrializados, carnes processadas (salsichas e equivalentes), macarrão instantâneo, salgadinhos de pacote e outros.

De acordo com profissionais de saúde e nutrição, esse tipo de produto contém um alto teor de calorias. Em contrapartida, um baixo valor nutricional. Com isso, um alimento ultraprocessado não pode ser comparado com um in natura, pois não sustenta o corpo como tal.

Além disso, o consumo excessivo de alimentos que contenham muito açúcar, gorduras saturadas e trans, e sal, são diretamente ligados a casos de desenvolvimento de doenças coronarianas, hipertensão, obesidade e diabetes.

Críticas à solicitação do Ministério da Agricultura

Como resultado da solicitação pela revisão de um Guia que é considerado um dos 4 melhores do mundo e que tem seus padrões seguidos por outros países, especialistas criticaram veemente o pedido do Ministério da Agricultura.

Em sua defesa, o Ministério afirmou que a crítica do Guia à alimentos ultraprocessados é “Confusa, incoerente, que impede ampliar a autonomia das escolhas alimentares”.

Assim, vale a reflexão sobre as escolhas alimentares. Nesse sentido, uma vez que já é comprovado cientificamente a relação de causa efeito dos alimentos ultraprocessados na saúde, manter o equilíbrio no consumo pode contribuir para preservá-la.

Leia mais:Alimentos ricos em fibras: Nutricionistas defendem as consequências deste consumo

Gostou desta matéria? Acompanhe as nossas redes sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Pinterest.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here