Câncer de Pâncreas vitima Ruth Bader Gisburg; a juíza mais antiga da suprema corte dos EUA

O câncer de pâncreas é um dos cânceres mais agressivos que existem.

0
361
Juíza mais antiga da suprema corte dos EUA morre de câncer de pâncreas; um dos mais letais Foto - AFP/Arquivos

Ruth Bader Ginsburg, que era juíza do Supremo Tribunal Federal dos Estados Unidos, faleceu na sexta-feira, 18, devido a complicações de câncer pancreático. O câncer de pâncreas é um dos cânceres mais agressivos que existem. Conheça um pouco da história de Ruth e porque a doença é difícil de ser diagnosticada no começo.

A notícia da morte de juíza foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal em nota, que indica que Ginsburg morreu em sua casa, na capital do país, cercada por sua família. Seus restos mortais serão levados para o Cemitério Nacional de Arlington.

Símbolo da luta pelo direito das mulheres

Ginsburg não era apenas considerada uma lutadora contra a discriminação de gênero. Ela também era a mais popular das juízas, mesmo entre as gerações mais jovens.

Aliás, a juíza Ginsburg foi um exemplo de luta porque perseverou em servir na corte durante as recorrências de seu câncer, prometendo permanecer no tribunal enquanto ela pudesse servir.

Indicada pelo ex-presidente Bill Clinton em 1993, Ginsburg era a juíza mais velha dos nove que compõem a Suprema Corte e, nos últimos anos, teve problemas de saúde que obrigaram a várias internações hospitalares.

A juíza já lutava contra o câncer há anos: em 2009, ela superou o primeiro câncer no pâncreas; em 2018, precisou remover nódulos malignos de seu pulmão esquerdo; e no verão de 2019 o tumor reapareceu no pâncreas.

O câncer também arrebatou seu marido, Martin Ginsburg, que morreu em 2010.

Outro nome mundialmente conhecido e que também lutou contra o câncer de pâncreas foi Steve Jobs, fundador da Apple, que padeceu após sete anos de luta.

Saiba um pouco mais sobre o câncer de pâncreas e porque seu tratamento é um dos mais difíceis.

Leia mais: Rinite alérgica e estresse: entenda essa relação

Câncer de pâncreas é um dos mais violentos

câncer de pâncreas
Juíza mais antiga da suprema corte dos EUA morre de câncer de pâncreas; um dos mais letais Foto – Pixabay

O câncer de pâncreas é um dos cânceres mais agressivos que existem. Ele mata rapidamente e assola o paciente com vários sintomas dolorosos e perigosos, incluindo dor de estômago, obstrução biliar, sangramento, ascite e muito mais.

Mas, ao contrário dos cânceres de mama, cólon e próstata, o câncer de pâncreas não é encontrado rotineiramente nos exames de rastreamento. As pessoas, geralmente, não são testadas porque nenhum teste de rastreamento de câncer de pâncreas mostrou salvar vidas.

Apesar da pesquisa sobre o assunto, não existem opções de rastreamento confiáveis ou tratamentos para pessoas com câncer de pâncreas.

Inclusive, a doença é o sétimo tipo de câncer que mais mata no Brasil. No entanto, a sobrevida não chega a 5%, segundo dados da American Cancer Society.

Ele é raro antes dos 30 anos, mas torna-se mais frequente depois dos 60. Corresponde de 2% de todos os tipos de câncer diagnosticados no Brasil e 4% do total de mortes por essa doença, ou 4,12 casos a cada grupo de 100 mil habitantes.

Confira também: Proteção contra o Coronavírus: pesquisa feita na UFMG desenvolve produto eficiente por 24 horas

Quais são os sintomas do câncer de pâncreas ?

câncer de pâncreas
Juíza mais antiga da suprema corte dos EUA morre de câncer de pâncreas; um dos mais letais Foto – Pixabay

O câncer de pâncreas pode ser encontrado nas glândulas exócrinas, que produzem enzimas que ajudam a digerir os alimentos. Ou ainda, pode ser encontrado nas glândulas endócrinas, que produzem os hormônios insulina e glucagon que regulam os níveis de açúcar no sangue.

Frequentemente, não há sintomas na fase inicial do câncer. Alguns sintomas potenciais podem ocorrer à medida que o tumor aumenta.

Dor

Conforme o câncer se espalha, ele pode pressionar os nervos ou outros órgãos, causando dor. Assim, um bloqueio no trato digestivo aparenta ser o responsável pelo sintoma. A maioria das pessoas com dor de câncer pancreático sente dor no abdômen ou nas costas.

Perda de peso

O câncer de pâncreas pode diminuir o apetite, levando a uma eventual perda de peso. Alguns cânceres pancreáticos produzem hormônios que tornam mais difícil para o corpo obter nutrientes dos alimentos. Portanto, mesmo se o doente seguir uma dieta normal, poderá perder peso ou ficar desnutrido.

Fome ou sede excessiva

Esses sintomas também são sinais de diabetes, uma condição em que seu corpo não produz insulina suficiente para controlar o açúcar no sangue. O diabetes ocorre quando o câncer destrói as células produtoras de insulina do pâncreas.

Urina escura

A bile é um fluido marrom-amarelado liberado pelo fígado para ajudar o corpo a digerir os alimentos. A bile é normalmente armazenada na vesícula biliar. De lá, ele viaja pelo ducto biliar comum até o intestino para ser removido do corpo pelas fezes. Mas quando o ducto biliar comum é bloqueado por um tumor, a bilirrubina não pode ser removida e uma quantidade excessiva dela se acumula em seu corpo.

Aliás, esses são apenas alguns sintomas. Portanto, é importante ficar atento aos sinais, e em caso de dúvida, procurar o médico.

Gostou desta matéria? Acompanhe nossas redes sociais: Facebook, Instagram, TwitterPinterest.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here