Estudo americano aponta que mortes por overdose podem ter sido registradas como parada cardíaca

No Brasil as mortes por overdose aumentaram quase 30% em 2018.

0
143
mortes por overdose

Um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos apontou que mortes por overdose podem ter sido registradas como parada cardíaca. Essa informação chama a atenção dos governantes, pois o número de casos têm se elevado estatisticamente.

No Brasil, as mortes por overdose aumentaram quase 30% em 2018 de acordo com os relatórios do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD). E no país cerca de 200 mil pessoas por ano são vítimas de morte súbita devido a arritmias cardíacas fora do ambiente hospitalar, de acordo com dados da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas, a SOBRAC.

Porém, o que esse estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos pode trazer? No estudo descobriu-se que uma em cada seis mortes cujo atestado de óbito traz “parada cardíaca súbita” pode, na verdade, ter sido ocasionada por overdose de drogas.

Acompanhe mais no SaúdeLab sobre essa pesquisa.

Leia mais: Dinheiro sumiu do Caixa Tem? Entenda o que pode ter acontecido

Resultado do Estudo

Neste estudo, os pesquisadores examinaram primeiro os relatórios pós-morte de 525 mortes em São Francisco rotuladas após a autópsia como “mortes cardíacas fora do hospital”.

Essa equipe de profissionais composta por médicos especialistas – um médico legista, um patologista cardíaco, um neurologista e dois cardiologistas/eletrofisiologistas cardíacos – revisaram os laudos, que foram registrados entre 2011 e 2014.

Outros 242 relatórios post mortem, desta vez de 2014 a 2017, também foram revisados ​​com os mesmos critérios.

Assim, com base na análise “incluindo testes de toxicologia post-mortem – 15% dos casos de “morte cardíaca” tabulados em 2011-2014 envolveram uma overdose de drogas, assim como cerca de 22% das mortes no grupo de 2014-2017”. Nos casos analisados, vários “tóxicos” estavam presentes nos resultados dos testes de toxicologia – estimulantes, maconha, sedativos e álcool entre eles.

Dessa forma, para os pesquisadores, se os dados de São Francisco forem replicados em outro lugar, pode haver “uma subestimativa substancial do verdadeiro fardo” das mortes relacionadas às drogas em nível nacional, porque essas mortes estão “mascaradas como mortes cardíacas súbitas”.

O que é morte por overdose?

mortes por overdose
Estudo americano aponta que mortes por overdose podem ter sido registradas como parada cardíaca Foto – Pixabay

A overdose é o consumo excessivo de qualquer droga ou medicamento, para que a substância atinja níveis tóxicos no sangue. A forma como ocorre uma super dosagem pode resultar de vários fatores.

A causa mais comum é o uso de droga em um curto período de tempo. Isso pode ocorrer como resultado do aumento do nível de tolerância à substância. E, embora o viciado geralmente comece tomando pequenas doses, à medida que aumenta a tolerância de seu corpo, ele precisa de mais da droga para obter o mesmo efeito. É então quando chega a um ponto em que ultrapassa o limite e causa toxicidade, causando a overdose.

O que é uma morte por parada cardíaca?

mortes por overdose
Estudo americano aponta que mortes por overdose podem ter sido registradas como parada cardíaca Foto – Pixabay

A morte súbita cardíaca (SCD) é uma morte súbita e inesperada causada por uma mudança no ritmo cardíaco ( parada cardíaca súbita ).

A parada cardíaca súbita não é um ataque cardíaco (infarto do miocárdio), mas pode ocorrer durante um ataque cardíaco. Os ataques cardíacos ocorrem quando há um bloqueio em uma ou mais artérias do coração, impedindo o coração de receber sangue rico em oxigênio em quantidade suficiente. Se o oxigênio do sangue não atingir o músculo cardíaco, o coração fica danificado.

Leia ainda: Uber empréstimo: linha de crédito libera até R$ 5 mil para motoristas e entregadores

Gostou da matéria? Compartilha, comente e siga nossas redes sociais: Facebook, InstagramTwitter e Pinterest.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here