Covid-19 se tornou uma sindemia: como isso pode te afetar? Entenda

O novo termo revela mais sobre o comportamento da doença no mundo

0
72
Sindemia
De fato, o COVID-19 se tornou uma Sindemia. (Imegam: Pixabay)

Com o tempo que o vírus da covid-19 se instaurou no mundo, percebemos que ela é uma doença muito mais complexa do que imaginamos, ele se tornou uma sindemia, conforme sugere umestudo publicado na The Lancet.

A inclusão do novo termo se deu pelo comportamento da doença, pois, seus riscos não estão atrelados somente a ela, mas também a diversos fatores de saúde e sociais que prevalecem enraizados em diversos países.

Tendo em vista a junção da infecção com síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2) e uma série de doenças não transmissíveis (DNTs). Em todo um contexto de de desigualdade social e econômica exacerba os efeitos adversos de cada doença separada. A covid-19 não é uma pandemia, e sim uma sindemia.

O que é sindemia?

Uma certa noção do que é uma sindemia foi criado pelo antropólogo médico americano Merrill Singer, isso ocorreu na década de 1990. Enquanto escrevia para o The Lancet juntamente com Emily Mendenhall e colegas. Um argumento de Singer com uma abordagem sindêmica revelou que interações biológicas e sociais são importantes para o prognóstico, tratamento e política de saúde.

Segundo o antropólogo, o ato de limitar os danos causados pelo novo coronavírus, vai muito além. Exigindo muita atenção às DNTs e à desigualdade socioeconômica do que tem sido feito até o momento.

Então, as sindemias possuem como principal característica as interações biológicas e sociais entre condições e estados. Interações essas que aumentam a probabilidade de uma pessoa a prejudicar ou piorar seus resultados de saúde. No caso da covid, atacar os DNTs será um pré-requisito para uma contenção bem-sucedida.

Sindemia
COVID-19 se tornou uma Sindemia. (Imagem: Pixabay)

Como isso pode afetar socialmente

Como já citamos anteriormente, a sindemia do coronavírus está atrelada a 2 fatores, que são a síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2) e uma série de doenças não transmissíveis (DNTs). Estando também diretamente ligadas a fatores sociais do país em questão.

Como exemplo, lugares periféricos da cidade, tendem a ter mais casos da covid-19, pois lá a maioria que residem são pessoas de baixa renda, com condições de vida mais precárias. No entanto, a sindemia pode afetar também pessoas que não costumam fazer check up regular ou não tratam de suas condições de saúde. Como, também está diretamente ligado a uma série de doenças não transmissíveis, possuir uma dessas doenças e não tratar pode dificultar a cura.

Não só as regiões periféricas estão em risco com esse novo patamar que o vírus chegou, mas também diversas outras classes que sofrem com esse problemas sociais e econômicos. Como comunidades étnicas negras, asiáticas e minoritárias, e trabalhadores-chave que são comumente mal pagos com menos proteções de bem-estar.

Esse novo patamar que o coronavírus chegou, é preocupante e torna muito mais difícil o combate, já que o problema não está apenas no vírus mas também em problemas econômicos e sociais já enraizados a décadas no país.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here