Mais que aparência: pessoas obesas correm mais riscos no contágio por Covid-19

Os estudos demostraram que a resposta à doença é mais crítica em pessoas obesas

0
150
covid
De fato, Pessoas obesas correm mais riscos em relação a covid. (Imagem: Freepik)

Mais que uma questão de estética, controlar o peso pode salvar vidas. É o que diz um estudo conduzido por brasileiros, que demonstrou que a obesidade é um dos principais fatores de risco para a mortalidade por Covid-19. Assim, pessoas obesas correm mais riscos de morrer por Covid-19.

A pandemia da covid-19 continua instaurada, e com ela novas descobertas vem sendo feitas constantemente. Então, uma das mais descobertas recentes é em relação a pessoas obesas. Uma meta-análise recente feita por pesquisadores brasileiros constatou que pessoas obesas correm mais riscos em relação a covid-19.

Leia também: Obesidade e sobrepeso triplicam segundo alerta da OMS

Pessoas obesas correm mais riscos no que tange a Covid-19

Embora a obesidade sempre tenha sido prejudicial à saúde por conta de inflamações crônicas, risco maior de doenças cardíacas e uma resposta enfraquecida às infecções virais, quando se trata da covid-19, a obesidade tem sido predominante em diversos casos graves da doença.

Pessoas obesas correm mais risco
De fato, Pessoas obesas correm mais riscos em relação a covid. (Imagem: Freepik)

Uma meta-análise foi feita por pesquisadores brasileiros tomando como base nove estudos de cinco países em relação ao novo coronavírus. Essa pesquisa incluiu 6.500 pacientes, onde mais da metade eram homens e possuíam comorbidades como:

  • hipertensão (51,51%)
  • doença cardiovascular (16,66%)
  • diabetes (30,3%)
  • doença renal (7,49%)
  • câncer (5,07%)
  • doença pulmonar (15,99%)
  • imunossupressão (1,8%)

No entanto, outra grande porcentagem foram de fumante que sofriam de uma condição que envolve altos níveis de colesterol ou gordura no sangue chamada dislipidemia. Então, o intuito do estudo era saber sobre a prevalência do fator obesidade como um contribuinte nos casos graves da doença que no geral exigiam internação na UTI. Foi analisado também os melhores tratamentos que ajudaram pacientes obesos a se recuperarem do vírus.

Silvia Helena Sales-Peres, que é professora da Universidade de São Paulo, e coordenadora deste estudo, explicou sobre o a incidência em pessoas obesas “Vários fatores contribuem para o agravamento da infecção no organismo obeso. Um é a capacidade limitada de produzir interferons [proteínas secretadas por células de defesa que inibem a replicação viral] e anticorpos. Além disso, o tecido adiposo funciona como um reservatório para o vírus, mantendo-o mais tempo no organismo”.

Leia também: Justiça do Trabalho reconhece que Covid-19 é doença do trabalho; entenda caso

Vale lembrar também que a doença ataca diretamente o pulmão e os obesos costumam apresentar a função respiratória prejudicada. Isso se da porque a gordura comprime o diafragma e impede a movimentação normal do órgão. No entanto, existem também diversos outros fatores que tornam esses pacientes mais suscetíveis a depender de ventilação mecânica e outros cuidados intensivos caso contraiam o novo coronavírus. Nesta análise, concluiu que 9,4% dos pacientes com obesidade internados em UTI vieram a óbito

O sobrepeso também é um fator de risco?

O Sobrepeso e Obesidade, ambos implicam uma condição de excesso de peso em um ser humano. No entanto, o termo sobrepeso é usado para indicar o excesso de peso enquanto obeso se refere a excesso de gordura.

Obeso
Obesos sofrem mais complicações por Covid-19. Foto: Unsplash

Então, os indivíduos que possuem o sobrepeso já podem apresentar um fator de risco, pois já mostram alteração na produção de anticorpos e algum grau de inflamação crônica que favorecem a progressão da covid-19. A meta-análise constatou também, que o risco aumenta, caso o indivíduo seja fumante ou tenha comorbidades como diabetes, hipertensão ou doença pulmonar.

Enfim, esses estudos são importantes, tanto para o alerta de pacientes em relação aos riscos e cuidados necessários. Quanto para ajudar o serviço público a se preparar para uma potencial demanda por cuidado intensivo dessas pessoas. Afinal, tudo isso se dá independente da idade, do sexo, da etnia e da existência de comorbidades.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here