Transplante de pulmão associada a Covid-19 em um paciente PCR-positivo; saiba mais

Estudo de caso foi publicado na The Lancet aprova transplante de pulmão em paciente com SARS

0
152
Transplante de Pulmão
Transplante de pulmão associada a Covid-19 em um paciente PCR-positivo; saiba mais (Imagem: sempre família)

Hoje, 20/10, o Saúdelab vai trazer  o que revelou um estudo publicado recentemente no The Lancet Respiratory Medicine  que aborda sobre o transplante de pulmão associado a Covid-19 em um paciente PCR-positivo.

A pandemia do coronavírus tem despertado mais interesse para pesquisas de casos na área da saúde. E isso tem seu lado positivo, ainda mais pela necessidade de conhecer mais dessa e o manejo com pacientes infectados pele vírus.

Leia também: Efeitos da pandemia: estudo revela que mais da metade dos pesadelos está relacionada à covid-19

Estudo publicado no The Lancet sobre Transplante de pulmão

 transplante de pulmão
Estudo: saiba mais sobre transplante de pulmão associada a Covid-19 em um paciente PCR-positivo Foto – Pixabay

Christian Lang liderou um grupo de colegas da Divisão de Cirurgia Torácica da Medical University of Vienna, Áustria. Eles desenvolveram um protocolo de acompanhamento de uma mulher com 44 anos e com Síndrome de Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) associada à Covid-19.

Com uma equipe de um dos centros mais experientes em bypass de Oxigenação por Membrana Extracorpórea (ECMO) e transplante de pulmão de alto risco na Europa, eles decidiram em equipe multidisciplinar a avaliação do procedimento cirúrgico, antes de iniciar esta terapia.

Como foi realizado esse protocolo de acompanhamento? 

Mesmo assim, o transplante de uma paciente que ficou imóvel por várias semanas sem o consentimento da família, sofreu riscos significativos e, sem surpresa, se refletiram em uma permanência prolongada na UTI e no hospital após o procedimento. Veja o relato no estudo:

“A maioria dos pacientes com Covid-19 tem um curso leve ou assintomático da doença; no entanto, cerca de 10% requerem internação em unidade de terapia intensiva (UTI) devido à SDRA. Taxas de mortalidade de até 60% foram relatadas para este subgrupo ”.

O transplante continua sendo a última opção de tratamento para várias doenças pulmonares crônicas em estágio terminal.

Além disso, pode ser considerada uma terapia de resgate para pacientes cuidadosamente selecionados que têm SDRA refratária grave.

As incertezas do tratamento

No entanto, há grande incerteza, conforme registro na pesquisa, se o transplante de pulmão poderia ter lugar no tratamento de Covid-19 grave e, em caso afirmativo, qual deveria ser o momento ideal para tal cirurgia.

Em março, quando os primeiros casos de Covid-19 foram relatados na Áustria, uma mulher de 44 ano foi internada, com sintomas de febre e tosse, e testou positivo para SARS-CoV-2 por RT-PCR (dia 0); seu histórico médico não era relevante, exceto que ela tinha artrite psoriática leve.

Evolução, complicações e hipótese de transplantar o pulmão

Do 6º dia após o primeiro teste positivo, o quadro respiratório piorou, sendo necessária intervenções mais complexas e, conforme foi evoluindo a gravidade do quadro da paciente, medidas extremas foram aplicadas.

Uma última tentativa de tratamento foi iniciada no 32º dia de internação, com terapia de plasma, que por sua vez, não ofereceu nenhum benefício.

Logo depois, uma transferência para a Universidade Médica de Viena( Áustria) no dia 48º foi realizada e com possibilidade de ser transplantada.

Definindo a cirurgia de transplante de pulmão

Com base em todos os exames, uma discussão interdisciplinar abrangente sobre a direção do tratamento foi realizada no dia 52º , resultando em um consenso de que os pulmões da paciente não tinham potencial de recuperação.

Assim, no dia 58º, um órgão doador adequado estava disponível e um transplante de pulmão bilateral sequencial foi realizado. Ainda assim, a recuperação foi lenta e com cuidados intensivos prolongados.

pulmão com SARS
Transplante de pulmão associada a Covid-19 em um paciente PCR-positivo; saiba mais (Imagem : Internet)

Características do pulmões anteriores após biópsia

A biópsia revelou alguns dados que servirão de parâmetros para novas intervenções. Observe a seguir os agravos do vírus da Covid-19 no pulmão infectado.

“O exame anatomopatológico dos pulmões explantados mostrou grandes áreas de necrose que ocuparam quase completamente tanto os lobos inferiores quanto grandes áreas dos lobos superiores”, citam os especialistas no relatório.

Em outras palavras, o pulmões da paciente já estavam em grande parte comprometidos e com perda das suas funções respiratórias. Pois as células mortas geram inflamação generalizada e fibrose tecidual.

Ademais, o pulmão enrijece, ou seja, fica duro e não consegue expandir adequadamente. E nesse sentido as trocas gasosas não acontecem adequadamente e a vida fica inviabilizada.

Com isso o relato de caso mostra que o transplante de pulmão deve ser adicionado ao arsenal de terapias para pacientes com SDRA relacionada a COVID-19 na tentativa de preservar a continuidade da vida dos pacientes.

Leia agora: Obesidade e sobrepeso triplicam segundo alerta da OMS

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here