Comportamento na pandemia: como os jovens reagem às mudanças

É importante observar a população em cada fase da vida assim também como reagem às mudanças atuais

0
212
Jovem e pressão alta
Pessoas estão com pressão alterada (Fonte: Pxhere)

A maioria da população jovem mudou de comportamento e rotina durante a pandemia. O isolamento social teve um grande impacto, inclusive na saúde emocional desta faixa etária.

Por este motivo, a maioria tem se comportado de maneira descrente quanto ao futuro e afirma que “a sociedade não está preparada para outra pandemia“. Foi o que constatou um levantamento do Projeto de Pesquisa de Mercado em Publicidade e Propaganda da Escola de Comunicação, Artes e Design – Famecos da PUCRS.

A coleta de dados, realizada durante todo o mês de julho, analisou o comportamento de 250 indivíduos com idade ente 18 e 24 anos, no período de isolamento e como eles enxergam o futuro pós-isolamento.

No entanto, cerca de 61% dos participantes discordam que a sociedade estará preparada para uma situação futura semelhante à atual pandemia da Covid-19. O comportamento e temas estudados foram divididos em grupos: rotina pessoal; trabalho e estudos; familiares e amigos; e percepção de futuro.

Leia também: A bioquímica Maria Elisa Scheifer explica como a rotina de seus laboratórios mudou durante a pandemia

Comportamento
Relação dos jovens com o momento atual / Foto: Freepik

Dia a dia

Dentre as informações obtidas, metade dos participantes se considera mais de sair, ou seja, preferem realizar suas atividades fora de casa. Por outro lado, 38 % teve um comportamento neutro e afirmam  gostar igualmente de ficar em casa, como de sair.

Por outro lado, 88% de jovens pautam as suas relações diárias em atividades externas. Enquanto apenas 11% preferem passar o seu tempo dentro de suas residências.

Nesse sentido, o comportamento dos jovens antes da quarentena era repleto de compromissos externos. Sendo os cinco ambientes mais frequentados, respectivamente: bar e restaurante (51%); festas (37%); shopping (33%); esportes (28%) e parques (25%).

Leia também: “Pandemia acelerou comportamentos já existentes”; diz CEO da P & G

Contudo, as cinco coisas menos praticadas pelo mesmo público eram:

  • filmes com amigos (18%);
  • dormir (15%);
  • videogames (15%);
  • museus (7%);
  • e ler jornal e revistas (3%).
Comportamento
Roda de amigos no bar / Produtos finos

Por outro lado, 3 em cada 4 pessoas perceberam uma mudança em seu comportamento virtual, pois agora, afirmam que passam mais tempo nas redes sociais do que de costume. Além de ser um ‘efeito colateral’ do isolamento, esta é também uma maneira de passar o tempo e se distrair.

Emprego e faculdade

Todavia, 95% dos participantes trabalha e estuda, e tiveram que se adaptar ao home office, ou seja emprego remoto. Esses números apontam que existe uma adaptação total na rotina, o que exige mais tempo de conexão com colegas de trabalho e faculdade.

Entretanto, levando em consideração os hábitos costumeiros, temos uma média de seis horas de trabalho, três em sala de aula e mais uma hora de estudos em casa. Desta forma, estima-se que o jovem passa, em média, 10 horas em frente ao computador.

Ainda falando sobre relacionamentos, 48% revelaram que a relação familiar não mudou, enquanto mais de 30% apontaram que a convivência em família melhorou. E outros 16% relataram uma piora entre os membros familiares.

Veja mais: Despesas de tratamento no SUS em outra cidade poderão ser custeadas pelos cofres públicos; Entenda

Comportamento
EAD em casa / Fonte: boa notícia

Apesar disso, a falta de contato físico foi substituída pelas telas e teclados. Aplicativos como o WhatsApp e o Instagram tornaram-se cada vez mais utilizados para manter contato. As video chamadas também estão entre os meios de comunicação mais utilizados entre os jovens.

Sobre o futuro

Ainda assim, 73% dos jovens acreditam que o mundo não sairá dessa situação da mesma forma a qual entrou. Em outras palavras, as medidas adotadas nesse período, com o uso do álcool gel, uso de máscaras e higienização dos ambientes e objetos, vieram para ficar.

Já sobre o pós-pandemia, muitos se mostraram sem esperanças sobre o comportamento mundial: 49 % não acreditam que o mundo será um lugar melhor para viver. Enquanto outros 40% acreditam que nada será alterado.

Confira também: Vacina: gastos ultrapassam 1 bilhão de reais com imunização de Oxford, diz TCU

Em síntese, apenas uma pequena minoria (11%) indicou enxergar o futuro de forma positiva. Pesquisas como esta, mostram como é importante observar a população em cada fase da vida assim também como reagem às mudanças atuais.

Fonte: PUCRS

Gostou desta matéria? Acompanhe nossas redes: Facebook, InstagramTwitter Pinterest.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here