Bolsonaro diz que Auxílio Emergencial não pode continuar em 2021

Presidente da República diz a "comunistas e demagogos" que auxílio emergencial não pode durar para sempre

287
Bolsonaro diz que Auxílio Emergencial não pode continuar em 2021
Bolsonaro diz que Auxílio Emergencial não pode continuar em 2021 (Foto: Gov.br)

Após a divulgação do calendário das quatro parcelas restantes do benefício destinado aos desempregados, MEIs e trabalhadores informais, o presidente Jair Bolsonaro diz que Auxílio Emergencial não pode continuar em 2021.

O novo calendário do auxílio emergencial possui mais quatro parcelas confirmadas pelo governo e que já possui todas as datas de repasse, a começar no final deste mês de setembro.

A data limite para o pagamento da nona e última parcela a todos os beneficiários é o dia 29 de dezembro. Depois que esse calendário for cumprido, o auxílio emergencial será encerrado.

Bolsonaro diz que Auxílio Emergencial não pode continuar em 2021
Bolsonaro diz que Auxílio Emergencial não pode continuar em 2021 (Foto: Gov.br)

Mais uma vez quem confirmou o fim do auxílio no final do ano foi o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), através de postagem nas redes sociais.

Leia mais: Bolsonaro desiste do Renda Brasil, mas dá aval para criação de outro programa

Bolsonaro diz que Auxílio Emergencial não pode continuar em 2021 e cita motivos

Em uma publicação feita através do Facebook, Bolsonaro afirmou que, infelizmente para quem é demagogo e comunista’, o auxílio não pode durar para sempre.

Contudo, afirma que está aberto ao diálogo para sugestões, junto com os líderes partidários, para definir possíveis novas ações.

“A responsabilidade fiscal e o respeito ao teto são os trilhos da Economia. Estamos abertos a sugestões juntamente com os líderes partidários. O Auxílio Emergencial, infelizmente para os demagogos e comunistas, não pode ser para sempre”, escreveu, assim, o presidente da República.

Não é a primeira vez que o presidente afirma que o benefício não pode continuar em 2021.

Com postagens em redes sociais e pronunciamentos em eventos presidenciais, também já afirmou que o Governo não tem dinheiro para bancar o auxílio em 2021.

Leia também: Marco Antônio Villa faz críticas a Jair Bolsonaro e ao Conselho Federal de Medicina

Presidente diz que não está pensando em reeleição

Na nota publicada através de seu perfil no Facebook, Jair Bolsonaro também declarou que suas ações não têm como objetivo angariar votos pensando na eleição presidencial de 2022.

“Minha crescente popularidade importuna adversários e grande parte da imprensa, que rotulam qualquer ação minha como eleitoreira. Se nada faço, sou omisso. Se faço, estou pensando em 2022”.

Segundo o presidente da República, seu pensamento está em fazer a economia funcionar em 2021 para os trabalhadores que deixarão de receber o auxílio emergencial a partir de janeiro.

“Na verdade, estou pensando é em 2021, pois temos milhões de brasileiros que perderam seus empregos ou rendas e deixarão de receber o auxílio emergencial a partir de janeiro/2021”.

Com nove parcelas, de abril a dezembro, o programa  vai pagar, ao todo, R$ 4.200 à maioria dos beneficiários.

A exceção fica para quem é mãe chefe de família. Isso porque esse grupo recebe o valor dobrado em cada parcela.

Leia ainda: Mulher aciona Justiça para receber auxílio de 1.000 dólares citado por Bolsonaro

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here