Dr. Walid Omais explica: é possível cuidar das pedras nos rins com eficiência; veja

198
Dr. Walid Omais
Dr. Walid Omais explica: é possível cuidar das pedras nos rins com eficiência; veja Foto: Acervo pessoal

As pedras nos rins ou cálculos renais são problemas de saúde cada vez mais comuns entre a população. Hoje (27.11), o Dr. Walid Khaled Omais, especialista em nefrologia fala com a equipe do Saúdelab.

No entanto, o especialista fala sobre a origem do problema, que atinge a adultos jovens, e até mesmo algumas crianças, pelo acúmulo excessivo de substâncias na urina.

Leia também: Chá de orégano para infecção de urina: será que resolve? Descubra

Dr. Walid Omais
Funcionamento dos rins é extremamente importante para o organismo / Fonte: Divulgação

Dr. Walid Omais explica o que são cálculos renais

A princípio, Dr. Walid Omais explica que pedras nos rins são formações compostas por substâncias encontradas no sangue , e que normalmente são filtradas nos rins, sendo grande parte reabsorvidas (devolvidas para o nosso sangue).

“Em razão de algumas alterações funcionais parte que deve ser eliminada na urina, precipitam e formam então o que chamamos de cálculos renais. Eles se formam, principalmente devido ao acúmulo das substâncias em concentração acima da capacidade de diluição da urina. Há também outro tipo de pedra, por exemplo é o cálculo de infecção, quando algumas bactérias favorecem a formação de um cálculo. É chamado cientificamente de cálculo de struvita”, esclareceu o especialista.

Além disso, segundo um estudo realizado pela Universidade de São Paulo (USP), os cálculos renais atingem a cerca de 10% da população brasileira e estão intimamente ligados ao consumo de proteína e sal em excesso.

Sintomas e prevenção

Omais enumera alguns passos importantes, para evitar a formação de cálculos renais no organismo. São eles:

  • Reduzir consumo de sal
  • Reduzir consumo de alimentos processados, embutidos
  • Evitar ingerir coração, fígado, rins, moela
  • Evitar consumo excessivo de proteínas de origem animal
  • E de suma importância consumir liquido, preferentemente água para urinar mais do que 2 litros de urina em 24hs
  • Alguns medicamentos servem também são profiláticos, ou seja, para prevenir

Assim como qualquer outro órgão, os rins, quando estão doentes, apresentam algum sintoma na maioria das vezes.

“Os primeiros sinais de alerta podem ser inchaços, aumento do peso, hipertensão arterial, urina espumosa (que pode significar perda de proteína no líquido), urina avermelhada (pode significar presença de sangue na urina) perda do apetite, náusea e falta de ar”, explicou o nefrologista.

Dr. Walid Omais
Cuidados renais preservam uma saúde equilibrada / Foto: Divulgação

Doenças renais comuns

Contudo, além da limpeza do organismo, os rins são responsáveis por produzir hormônios capazes de interferir na pressão arterial e na produção de glóbulos vermelhos. De acordo com Dr. Walid Omais, o exame mais comum para verificar o estado de saúde destes órgãos é o de nível da creatinina no sangue.

Listamos abaixo o nome de algumas doenças mais comuns, relacionadas aos rins:

  • Cálculos Renais:

  Como já foi citado, as pedras nos rins são formadas principalmente pela pouca ingestão de líquido (resultando em uma urina escura), consumo elevado de sal e proteínas. Portanto, quando se movimentam e descem pelo canal da uretra, causam muita dor, devido à obstrução do fluxo urinário e dilatação do rim. Porém, com acompanhamento médico, a desobstrução do rim deve acontecer em até 3 semanas.

  • Diabete Mellitus:

    Esta é uma doença metabólica relacionada à incapacidade de produção ou à produção insuficiente de insulina no corpo. Que se trata de um hormônio produzido no pâncreas, responsável por digerir os açúcares ingeridos nas refeições. Normalmente, açúcares são formados por carboidratos, proteínas e gorduras.

  • Rins Policisticos: 

A doença policística renal costuma progredir de forma silenciosa, provocando assim sintomas, só muitos anos depois. Isto acontece, porque os cistos não causam sintomas até estarem bem grandes, quando, começam a causar dor ou rompimento. No entanto, ao contrário do que muitos pensam, a doença policística não tem relação com o câncer de rins. Isto é, porque os cistos em si não viram câncer.

  • Hipertensão Arterial:

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH),  33% dos brasileiros sofrem com a doença, também conhecida popularmente como “pressão alta”.Vale redobrar a atenção com esta patologia, pois a pressão arterial é responsável por empurrar o sangue bombeado pelo coração, pelas artérias, levando o suprimento necessário aos demais órgãos. E sua ocorrência pode ser perigosa, causando insuficiência renal grave.

  • Glomerulonefrites:

Trata-se de uma inflamação do glomérulo, unidade funcional do rim formada por um emaranhado de capilares, onde ocorre a filtragem do sangue e a formação da urina.

Dr. Walid Omais
Exercendo a profissão há mais de 20 anos, o médico é graduado pela UFMT / Foto: Acervo pessoal

Conselho de médico

Por fim, o especialista em doenças dos rins orienta as pessoas com histórico nefrológico a realizar check-up pelo menos uma vez a cada 4 ou 6 meses. Ele também alerta dizendo que “Quem forma pedra deve ingerir liquido não apenas para matar a sede, e sim para manter a urina bem diluída”. Ou seja, manter os cuidados profiláticos conforme prescrição médica, além de manter-se sempre hidratado, com uma alimentação equilibrada e praticar exercícios regularmente.

Fonte: Dr. Walid Omais

Gostou desse conteúdo? Então, nos acompanhe também em nossas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Pinterest

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here