Infecções urinárias recorrentes na pós menopausa causam alterações no microbioma urogenital; veja pesquisa

A infecção urinária é um tema de grande relevância, pois entre as pessoas que adoecem com ela, 50% são mulheres, afirmam os pesquisadores.

A pesquisa em questão buscou entender a relação da terapia hormonal de estrogênio com as alterações da flora microbiana urogenital que levam às Infecções do Trato Urinário (ITU) na pós menopausa. Por serem recorrentes, a infecção urinária é um tema de grande relevância, pois entre as pessoas que adoecem com ela, 50% são mulheres, afirmam os pesquisadores. Confira os detalhes aqui no SaúdeLAB.

O estrogênio é um hormônio que desempenha várias funções no corpo da mulher e do homem. No caso das mulheres ele é produzido pelos ovários e regulam, por exemplo, o ciclo reprodutivo, menstruação, a lubrificação vaginal e muito mais. Nos homens, ele é produzido pelos testículos em menor quantidade e, atua na libido, função erétil, produção de espermatozoides, entre outros.

Infecção Urinária pós menopausa

A menopausa é um período na vida das mulheres que traz muitos desconfortos. Normalmente ele acontece a partir dos 50 anos e seu término varia de acordo com cada organismo feminino. As alterações hormonais são marcadores dessa fase e desiquilibram as funções dos órgãos. Muitas vezes é preciso fazer reposição desses hormônios

As infecções urinárias são muito frequentes ao longo da vida das mulheres e uma das principais causas é a anatomia genital. Sua proximidade com a região anal pode facilitar a contaminação da uretra ao se higienizarem levando bactérias de uma parte a outra. Uma pesquisa publicada hoje (30) no CELL Reports Medicine aponta que essa situação se mantém marcante na pós menopausa com ITU recorrentes modificando a flora bacteriana.

Os pesquisadores apontam estatísticas de que a infecção urinária pós menopausa acontecem em média uma a duas vezes a cada seis meses e três vezes em um ano. Muitas mulheres são sintomáticas. A doença recorrente causa transtornos mentais, emocionais e físicos.

Uso de antibióticos e hormônios são controversos

Mesmo tratando preventivamente com D-manose, estrogênio vaginal e metenamina, o antibiótico da infecção urinária ativa depende do uso de antibióticos para eliminar as bactérias patogênicas. Porém, essa ação compromete a flora bacteriana, que vai se modificando e ficando cada vez mais resistente ao antimicrobianos.

A intenção do estudo é encontrar um contraponto em terapias para infecções urinárias pós menopausa que remodelem e restaurem o microbioma urogenital feminino.

Os pesquisadores afirmam que “o microbioma urogenital feminino é relatado estar interligado com o microbioma vaginal. Por exemplo, os lactobacilos produtores de d(-)lactato, conhecidos por acidificar a vagina e protegê-la da colonização por patógenos bacterianos e fúngicos, têm sido consistentemente observados no microbioma urogenital feminino em múltiplos estudos independentes.

Ademais, há uma necessidade de se avançar nas pesquisas e confirmar essas descobertas. Mesmo o estudo sendo com mulheres na pós menopausa, a pesquisa tem subsídios para afirmar ‘que lactobacilos apoiam a saúde do trato urinário. Estudos também começaram a estabelecer uma relação entre a hormonioterapia de estrogênio (EHT) e as populações urogenitais de lactobacilos’, concluem Neeugent e seus colaboradores.

Leia também: Segurar xixi causa infecção urinária? Veja os principais motivos que fazem você adoecer

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitarconsulte Mais informação