Mulher fingiu estupro e roubo em Ipatinga para aumentar o número de seguidores em suas redes sociais; entenda

Moça que mora em Governador Valadares teve que assinar um termo por comunicar falsamente um crime

260
Mulher fingiu estupro e roubo para ganhar seguidores
Mulher fingiu estupro e roubo para ganhar seguidores (Imagem: Reprodução/Redes Sociais)

Uma mulher fingiu estupro e roubo em Ipatinga, cidade do Estado de Minas Gerais, na noite de segunda (21/09). Ela foi conduzida à delegacia depois de ter confessado a simulação para ganhar mais seguidores em suas redes sociais.

Segundo informações da PM, a jovem, que tem 21 anos, é da cidade mineira Governador Valadares, mas disse que foi vítima do assalto, bem como do estupro ao fazer o trajeto da rodoviária em Ipatinga e Valadares. Funcionários da UPA local acionaram a Polícia Militar que, chegando ao local, se depararam com divergências no depoimento da moça.

Leia mais: Fotos dos seios da fisioterapeuta belo-horizontina divulgadas sem autorização por uma clínica estética são provas de processo

Mulher fingiu estupro e roubo, mas só queria notoriedade na Internet

De acordo com o relato da jovem, ela estava se divertindo com amigos em uma festividade promovida no hotel localizado no centro da cidade. Em seguida, ao que parece, se dirigiu para o caminho da rodoviária. Quando chegou ao terminal, pegou o chamado “táxi clandestino”, tendo sido agredida no percurso. O motorista supostamente a havia estuprado, agredido fisicamente e roubado a bolsa e outros pertences.

Com tais informações, os militares passaram a buscar pelo suspeito. Fizeram isso por meio das câmeras de segurança, além de colher depoimentos de motoristas locais dos aplicativos, assim como de convidados que também estavam no evento. Mas, durante as apurações, a PM suspeitou das alegações falsas da mulher devido à divergência das informações. Questionando a jovem frente aos familiares, a mesma confessou ter inventado tudo e sua motivação.

Confira também: Revalida abre inscrições com taxas caras para médicos cubanos. Veja

Polícia desconfiou da mentira pela divergência no depoimento da jovem
Polícia desconfiou da mentira pela divergência no depoimento da jovem (Imagem: Reprodução/Redes Sociais)

Uma testemunha contou para a PM que estava conversando com a mulher e relatou que quando passou por determinada situação crítica, ganhou diversos seguidores. Além disso, recebeu doações online e bastante notoriedade. Essa experiência deixou a jovem bem “interessada”.

Violência contra mulher pode abalar a saúde mental de forma irreversível

As violências sexuais contra as mulheres são um tipo de problema da saúde pública que acarreta, em muitos casos, consequências psicológicas, médicas, bem como sociais. As vítimas estão passíveis a sofrer depressão, transtornos pós-traumáticos, ansiedade, distúrbios alimentares, de humor e sexuais. Outras consequências são abuso de drogas e álcool, assim como problemas sérios de saúde, diminuição de qualidade de vida, falta de satisfação para com o corpo, a vida, as atividades sexuais e relacionamentos interpessoais.

A relação que se tem com a autoestima, sua própria imagem, mas também com suas relações afetivas acabam sendo afetadas negativamente. Tudo isso limita o bem estar geral das vítimas. Dessas formas, tais sintomas podem se tornar duradouros, estendendo-se por anos a fio. A violência acometida com o abuso sexual levar a delimitação confusa de suas barreiras e limites, vergonha, estigmatização, dissociação e traição.

Violência sexual contra mulher pode causar danos permanentes
Violência sexual contra mulher pode causar danos permanentes (Imagem: Reprodução/Freepik)

Com isso, a invisibilidade se torna o desejo mais forte de várias vítimas desse tipo de violência. Isso porque elas se veem como feias, “sujas” e “nojentas”. Elas próprias se negligenciam, mas também são negligenciadas pelos outros. Tal ação só ressalta o quanto as mulheres se enxergam como “imundas”, percebendo seu corpo definitivamente com total vergonha.

A mulher fingiu estupro e roubo para ganhar seguidores, mas acabou fazendo muito mais do que denunciando um falso crime. Brincar com algo tão sério pode contribuir para aumentar a vergonha e o sofrimento pelo qual tantas mulheres passam todos os dias, e sem notoriedade alguma.

Gostou desta matéria? Acompanhe nossas redes sociais: Facebook, Instagram, TwitterPinterest.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here