O primeiro medicamento registrado para Covid na Rússia pode vir para o Brasil? Saiba mais

242
O primeiro medicamento registrado para Covid na Rússia pode vir para o Brasil? Foto - Pixabay

A Rússia concedeu autorização de comercialização para o medicamento de prescrição Covid-19 da R-Pharm, Coronavir, para tratar pacientes ambulatoriais com infecção leve a moderada. O antiviral tornou-se o primeiro medicamento contra coronavírus distribuído em farmácias na Rússia. Saiba mais sobre o Coronavir aqui no SaúdeLab e se há previsão da chegada para o Brasil.

Medicamento registrado para Covid

medicamento
O primeiro medicamento registrado para Covid na Rússia pode vir para o Brasil? Foto Pixabay

Um produto do favipiravir, o Coronavir tem como alvo direto o vírus e bloqueia sua replicação.

A aprovação do Coronavir vem dos dados finais obtidos durante um ensaio clínico de Fase III. Que foi realizado em pacientes com Covid-19 leve a moderado, na comunidade e em ambientes hospitalizados.

No estudo com 168 participantes, o medicamento levou a uma redução no tempo médio de melhora clínica em pacientes com Covid-19 em quatro dias, e em pacientes ambulatoriais em oito dias.

Leia ainda: Estudo da USP alerta para os riscos no novo Coronavírus em crianças

No dia sete, mais de 50% dos pacientes em Coronavir apresentaram melhora clínica, 1,5 vezes maior em comparação com o braço de referência do tratamento padrão.

Por isso, o grupo de empresas R-Pharm anunciou o registo do uso ambulatório do medicamento Coronavir. Destinado ao tratamento da infecção ligeira e moderada pelo coronavírus Covid-19.

Portanto, de acordo com o certificado de registo obtido, (…) o Coronavir  tornou-se a primeira droga para o tratamento da infecção por coronavírus na Rússia, vendida em farmácias e disponível para uma ampla gama de pacientes ambulatoriais, disse em um comunicado.

A Rússia também foi o primeiro país a anunciar o registro de uma vacina contra a Covid-19, embora o tenha feito para o ceticismo da comunidade científica mundial e de muitos países por não divulgar os detalhes dos ensaios clínicos para verificar sua eficácia.

Ademais, a chegada do medicamento para o Brasil ainda não tem previsão de data.

Leia agora: Coronavírus: imunidade adquirida após infecção é de curta duração, aponta estudo

Gostou desta matéria? Acompanhe nossas redes sociais: FacebookInstagramTwitter Pinterest.

 

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here