Quedas de idosos: um risco grave que pode ser prevenido

As quedas são os fatores que mais levam os idosos para o hospital, tendo grande risco de morte

348
As quedas de idosos levam a internações, lesões graves e até morte
As quedas de idosos levam a internações, lesões graves e até morte (Imagem: Reprodução/Ministério da Saúde)

As quedas de idosos são a principal causa de lesões, internações e até mesmo morte entre essa população. Adultos da terceira idade não somente estão mais predispostos a cair, bem como estão mais suscetíveis ao sofrimento de fraturas, ossos trincados e outros traumatismos.

Entender o motivo desse risco pode contribuir para os cuidados, sejam eles feitos por profissionais ou membros da família. Por isso, o SaúdeLab vai te ajudar a tomar todas as precauções necessárias para que os entes queridos se mantenham em segurança sempre. Confira tudo na matéria abaixo e evite que o idoso vire mais um número nas estatísticas.

Leia mais: Todo surdo é mudo? Entenda essa relação

Cuidar da saúde física do idoso é cuidar da saúde mental também
Cuidar da saúde física do idoso é cuidar da saúde mental também (Imagem: Reprodução/Paola Machado)

O que é queda em idosos?

As quedas em idosos são aquelas onde as pessoas com mais de 65 anos caem no chão por conta de vários fatores. A estimativa é que aconteça uma queda a cada três pessoas dessa idade. Uma a cada vinte que caem sofrem com fraturas ou ficam internadas.

Entre a população com idade acima dos 80 anos, 40% têm uma queda anual. Assim, se morarem em asilos ou casa de repouso, o índice aumenta para 50%.

Essas estatísticas são realmente assustadoras, entretanto, não consideram os potenciais efeitos psicológicos em torno do fato. Indivíduos da terceira idade tendem a sofrer com receio exagerado das quedas, o que reduz a prática de atividades físicas, consequentemente reduzindo a qualidade de vida.

Olinda Funghi de Souza, aposentada de 88 anos, sofreu uma queda recentemente. Ativa em todas as tarefas domésticas, está há quase 20 dias somente deitada ou sentada, recebendo cuidados dos familiares.

E sua única atividade física é ir apenas do quarto para o banheiro, do banheiro para a sala. Observe o que ela relatou ao Saúde Lab a seguir.

“A gente se sente inútil, sendo obrigada a depender de alguém até para a higiene. É triste, mas o que se pode fazer?”

Detalhes da queda

D. Olinda caiu na porta de casa, quando seu chinelo se prendeu em um vão. O resultado foi um trincado na bacia, medicações e muita dor. “Dói muito, não tem posição pra dormir, nem pra sentar. Fico sem saber o que fazer”, ela reclama.

A redução nas atividades físicas pode acarretar o surgimento do ciclo vicioso, onde as condições físicas do idoso acabam se deteriorando. Assim, o risco da queda aumenta e se reduz cada vez mais sua independência.

Por essas, bem como outras razões, prevenir as quedas em idosos é essencial para manter a saúde e o bem estar.

Por que o idoso está mais suscetível a quedas?

Com tantas causas adversas, destacamos as que são mais relatadas nos documentos da Organização Mundial de Saúde (OMS) e também no Ministério da Saúde (MS) e, como as de D. Olinda e de tantos outros brasileiros, devem ser objeto de cuidado e atenção de todos.

Declínio na aptidão física

Muitos adultos tornam-se menos ativos à medida que envelhecem e, assim agrava os efeitos físicos do envelhecimento. A falta de prática regular de exercícios leves resulta em redução da força muscular, perdas óssea, do equilíbrio e da coordenação, assim como redução da flexibilidade;

Medicamentos

Uma grande variedade de medicamentos pode ampliar os riscos de quedas em idosos. Efeitos colaterais, como sonolência, tontura e pressão arterial baixa, contribuem para esse problema. Sedativos, antidepressivos, antipsicóticos, opióides e alguns medicamentos cardiovasculares são os culpados mais comuns;

Doenças crônicas 

Condições de saúde como doença de Parkinson, doença de Alzheimer e artrite causam fraqueza nas extremidades, bem como distúrbios de equilíbrio e comprometimento cognitivo. A saúde física deficiente aumenta os riscos iniciais de queda, minimizando a capacidade de recuperação;

Procedimentos cirúrgicos

As substituições de quadril e outras cirurgias podem deixar o indivíduo fraco, com dor e desconforto. Assim, sua mobilidade será menor do que antes do procedimento;

Perigos ambientais

A maioria das quedas na população idosa ocorre dentro ou ao redor das residências dos idosos. Fatores ambientais como iluminação insuficiente, desordem, carpetes soltos e pisos escorregadios são os principais agentes dos acidentes;

Riscos comportamentais

Os acidentes de queda são influenciados por estilo de vida, bem como comportamentos. Isso inclui os tipos de atividades nas quais idosos se envolvem, o nível de demanda física exigida, sua disposição e capacidade de adaptação a uma nova rotina. Por exemplo, lavar roupa é uma atividade diária normal, mas pode envolver muito esforço para um idoso.

Quais as medidas de prevenção de quedas em idosos?

Eliminar os fatores de risco evitam acidentes
Eliminar os fatores de risco evitam acidentes (Imagem: Reprodução/Paola Machado)

Confira também: Como a empregada doméstica deve retornar ao trabalho com segurança nessa pandemia? Entenda todas as medidas adotadas

A senhora Olinda já trocou o chinelo e garante que, quando se recuperar, vai tomar mais cuidado. “Não quero passar por isso nunca mais”, ela afirma. Dessa forma, é preciso aproveitar as vantagens das abordagens comuns, tais como:

  • Resolver quaisquer condições médicas – Para diminuir riscos de quedas em idosos é preciso fazer exames médicos regularmente. A saúde é um dos aspectos mais importante para proteção contra acidentes;
  • Mudar o ambiente – Reduza o número dos locais perigosos na casa. Algumas modificações básicas incluem retirar tapetes, dormir em quartos próximos do banheiro, alargamento de portas, alterar a disposição dos móveis, entre outros;
  • Melhorar as aptidões físicas – Entre os benefícios estão osso, músculos, bem como tecidos conjuntivos mais fortes. Além disso, o indivíduo pode ter uma consciência maior do ambiente, ter mais energia e equilíbrio;
  • Vestir roupas e sapatos apropriados – Roupas soltas e grandes demais podem prender em móveis, maçanetas e outros lugares. Os sapatos precisam se encaixar e seguir determinadas limitações, como pisos escorregadios, materiais soltos, etc.;
  • Melhorar a iluminação – A residência não pode ser nem escura, mas também não pode ser clara demais. É necessário deixar o ambiente com iluminação própria para a capacidade visual do idoso;
  • Ter uma nutrição adequada – Uma dieta equilibrada proporciona estímulos para o sistema nervoso, além de fornecer energia aos músculos e estimular o bom funcionamento dos neurônios.

As quedas em idosos se mostram como um problema grave, tendo impacto na saúde física e mental. Mas, uma boa notícia é que esse perigo pode ser evitado com planejamento e cuidados certos.

Gostou desta matéria? Acompanhe nossas redes sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Pinterest.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here