Reações adversas da vacina antirrábica; saiba mais

A vacina antirrábica é necessária para casos de infecção com o vírus da raiva, transmitido por animais infectados.

197
vacina antirrábica
Reações adversas da vacina antirrábica; saiba mais Foto - Pixabay

As vacinas protegem os cães contra doenças, no entanto elas também podem causar efeitos colaterais, como febre ou reações alérgicas. Hoje, no SaúdeLab, acompanhe quais os efeitos da vacina antirrábica nos cães.

Primeiramente, a raiva é uma zoonose viral, ou seja, uma doença de animais, causada por um vírus e ocasionalmente transmitida ao homem por várias espécies animais. É uma doença aguda que afeta o sistema nervoso central. É a mais antiga e mais mortal zoonose viral conhecida. Por isso, a importância da vacina antirrábica.

Leia também: Existem raças de cães mais agressivas do que outras? Saiba mais com a Médica Veterinária Raquel Breunig

Reações adversas da vacina antirrábica

vacina antirrábica;
Reações adversas da vacina antirrábica; saiba mais Foto – Pixabay

Ao vacinar seu cão contra a raiva ou outras doenças mais comuns, preste atenção a qualquer um desses efeitos colaterais e entre em contato com seu veterinário imediatamente se achar que seu cão está tendo reações incomuns à vacina.

Esses efeitos, que raramente são graves, aparecem em três dias e geralmente desaparecem sem a necessidade de tratamento específico.

Os cães jovens são mais vulneráveis ​​à injeção, embora os especialistas apontem que as vacinas são seguras para os nossos cães, mas podem sim ocorrer reações adversas como:

  • Febre;
  • Perda de apetite;
  • Edema facial e / ou urticária;
  • Vômito;
  • Diarreia;
  • Dor, inchaço, vermelhidão, crostas ou perda de pelo no local da injeção;
  • Moleza;
  • Dificuldade para respirar;
  • Convulsões;

O vírus da raiva

Antes de maias nada, o vírus da raiva é um vírus RNA do gênero Lyssavirus e faz parte da família Rhabdoviridae. Sete genótipos com distribuição geográfica distinta são conhecidos como capazes de causar a doença.

A grande maioria dos casos se deve ao clássico vírus da raiva, que é distribuído em todo o mundo e do qual se obtêm as vacinas contra a raiva.

Leia também: Como tratar sarna em cachorro: conheça receitas caseiras que podem ajudar seu pet

Antes de dar a vacina ao seu cão

Em primeiro lugar, se o seu cão sofreu uma reação adversa a uma vacina, é do seu interesse falar com o seu veterinário para determinar quais vacinas você deseja que o seu cão receba e com que frequência.

Portanto, antes de dar ao seu melhor amigo de quatro patas uma vacina contra a raiva, considere o seguinte:

  • Agende a vacinação durante um período em que você estará em casa com seu cão para que você possa prestar atenção aos sinais de alerta;
  • Se o seu cão estiver doente, espere até que ele esteja bem antes de vaciná-lo.
  • Se você suspeita que seu cão é sensível às vacinas, tente separar as injeções em vez de aplicá-las todas de uma vez. Um mês entre as injeções pode dar ao seu animal bastante tempo para se recuperar.

Manifestações clínicas

vacina antirrábica
Reações adversas da vacina antirrábica; saiba mais Foto – Pixabay

Nesse sentido, após o contato com o vírus da raiva, o período de incubação no homem geralmente varia de 1 a 3 meses, embora possa variar entre dias e alguns anos.

Assim, a duração do período de incubação depende principalmente da quantidade de vírus inoculada e da localização da picada ou arranhão; é reduzido se a quantidade de vírus for grande e se o local da picada for uma área altamente inervada próxima ao sistema nervoso central, como a cabeça e o pescoço.

Logo depois, a infecção pelo vírus da raiva afeta o sistema nervoso, começando com o periférico e avança para o central.

Após uma fase prodrômica com sintomas inespecíficos, durando entre 2 e 10 dias, duas formas de manifestações clínicas podem aparecer:

  • Fúria da raiva: é a imagem mais comum e conhecida da raiva. É caracterizada por sinais de hiperatividade, excitação e fobia de água e ar. A morte ocorre após alguns dias devido à parada cardiorrespiratória.
  • Fúria paralítica: esta forma é menos dramática, mais longa e menos comum. Ocorre em aproximadamente 30% dos casos. Os músculos vão ficando paralisados ​​gradativamente, começando pelos mais próximos da porta de entrada da infecção (a mordida ou o arranhão), até que ocorra a parada cardiorrespiratória.

Portanto, depois que os sintomas começam, não há tratamento eficaz e a morte ocorre em todos os casos, exceto em casos muito raros. A letalidade da raiva é próxima a 100%.

Por isso, é de tamanha importância que o tutor vacine o animal e sempre fique atento a qualquer indisposição após a vacina.

Confira agora: Plano de saúde para pet: confira quais as vantagens e se vale a pena

Gostou desta matéria? Acompanhe nossas redes sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Pinterest.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here