Um em cada dez estudantes no Brasil é vítima frequente de bullying

Especialista alerta sobre riscos de relações nocivas na infância

Agressividade, autoestima prejudicada ou isolamento social, perda de motivação, traumas psicológicos, piora no rendimento e até evasão escolar são apenas alguns exemplos de como relações nocivas podem prejudicar a criança vítima de violência. Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), realizada pelo IBGE em parceria com o Ministério da Saúde e com o apoio do Ministério da Educação, aproximadamente um em cada dez adolescentes (13,2%) admitiu já ter sofrido com a prática de bullying, de provocação e de intimidação de colegas de classe. Entenda mais sobre o assunto, aqui no SaúdeLAB.

Bulling

Ana Paula Yazbek, especialista em primeira infância e diretora do Espaço ekoa, alerta: “é necessário estarmos alertas aos modos de convívio entre as crianças e jovens, pois com o isolamento social decorrente da pandemia e o uso intensivo das plataformas digitais, é possível notar um aumento na prática da violência psicológica entre eles”.

É muito importante que as escolas criem para mitigar os problemas causados pela prática do bullying, seja sobre como lidar com a criança agressora, quanto com aquela que é agredida. Mas, é muito importante aprofundar essa discussão e entender os motivos que levam a essas agressões.

Para a especialista, a escola deve se tornar o espaço privilegiado para discutir essa questão e evitar que a prática se perpetue nas próximas gerações. Para isso, é importante discutir padrões que a sociedade enxerga como ideais e trabalhar isso com as crianças em formação. “É importante instaurar um ambiente colaborativo e participativo, onde as diferenças sejam inseridas como algo positivo e propositivo. Considerando que qualquer diferença em colegas de escola pode gerar estranheza nas crianças, a escola deve naturalizar essa diferença para que isso não se mostre como algo fora do comum. É a melhor maneira de combater possíveis práticas de bullying que ocorram no futuro”, completa Yazbek.

Leia também: Crianças precisam de quantas horas de sono? Saiba mais sobre hábitos saudáveis na infância

Motivos para combater o bullying nas escolas brasileiras

  1. Crianças que sofrem bullying são mais propensas a desenvolverem depressão e ansiedade;
  2. As vítimas têm dificuldade de reconhecer emoções, sentem mais medo e mais estresse, o que demonstra um dano no cérebro que gera dificuldade de aprendizado e vulnerabiliza a transtornos de ansiedade e humor (Instituto do Cérebro, Rio Grande do Sul;
  3. Apresentam resultados escolares piores, maiores chances de abandonar os estudos após o ensino médio, além de, durante o período escolar comum, tenderem duas vezes mais a faltar e três vezes mais a se sentirem estranhas (Unesco);
  4. Vulnerabiliza as vítimas, na vida adulta, a outros problemas como o abuso de drogas (legais e ilegais), transtornos alimentares, cânceres, doenças cardiovasculares e metabólicas.

Continue a leitura: Palmadas não educam crianças, apenas normatizam violência e traumas

* Colaboração:  Conheça o Espaço ekoa

espaço ekoa é uma escola que atende crianças desde os 4 meses até as séries iniciais do Ensino Fundamental. É reconhecida como uma instituição inovadora e referência na educação infantil. O espaço físico é parte integrante do projeto pedagógico da escola e é um importante diferencial. As atividades são realizadas prioritariamente ao ar livre e as crianças podem se apropriar de todos os ambientes com segurança e responsabilidade. As turmas são multietárias e as salas de aulas são flexíveis, estimulando a cooperação entre as crianças e contribuindo para que elas construam relações que podem durar a vida inteira. O espaço ekoa fica na rua Rua Antonio Mariani, n° 58, Butantã e está aberto de segunda a sexta-feira das 7 às 19 horas.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Consulte mais informação