Cinta Pós-Parto: Afinal, Pode ou Não Pode Usar?

O que é cinta pós-parto? Quando é indicada e por que nem toda mulher deve usar?

cinta pós-parto

A cinta pós-parto é um ponto polêmico quando o assunto é gravidez. Enquanto que ela é altamente recomendada por alguns médicos, é também repudiada por outros.

O propósito da cinta, caso você ainda não conheça, é ajudar a barriga pós-parto a voltar ao normal. Contudo, existem outros tipos de produtos que também são interessantes durante a gestação, como a cinta para grávida, que visa cuidar da coluna da futura mamãe.

Por isso que vamos abordá-los nesse artigo, para que você saiba tudo sobre faixa pós-parto e cinta para gestante. Fique por dentro e veja se deve ou não usar!

Para que serve uma cinta modeladora pós-parto?

A cinta pós-parto tem como função ajudar o corpo da mulher a voltar para o seu estado antes da gravidez. Não é apenas uma questão estética, pois alguns tipos de cinta são específicos para mulheres que fizeram cesária, procedimento em que o corpo demora mais para se recuperar.

Contraditória na medicina, ela vem sido adotada com maior frequência já que muitas mulheres têm mostrado resultados da cinta abdominal antes e depois do uso. E, realmente, algumas conseguem bons resultados na tentativa de se livrar da barriga e do acúmulo de gorduras após a gravidez.

A maior indicação das cintas pós-parto é para mulheres que passaram por uma cesárea. Usa-se a cinta com velcro a fim de evitar a formação do seroma. O seroma é uma complicação recorrente pós-parto cesariana em que os líquidos se acumulam embaixo da pele. Isso normalmente ocorre na região da cicatriz e pode ter consequências mais graves.

A compressão das cintas ajuda a diminuir os seromas, pois melhora a circulação no local da operação. Já as mulheres que passam pelo parto normal não têm motivos para adotar o método.

Alguns médicos defendem que o uso da cinta também é bom para a reacomodação dos órgãos internos após o parto. Porém há outros que explicam que isso pode prejudicar a musculatura abdominal, responsável pelo processo de reestabelecimento do corpo ao seu normal durante o puerpério.

O que é certo é que você não deve comprar uma cinta pós-parto Marisa e sair usando sem conversar com o seu médico primeiro. Cada corpo de cada grávida reage de forma diferente, portanto é preciso pedir aconselhamento profissional sobre essas questões.

Quando posso usar cinta pós-parto?

quando usar cinta pós-parto

Em primeiro lugar, convém reforçar que você só deve procurar esse tipo de produto sob orientação médica. A cinta é ideal para mulheres que fizeram cirurgia cesariana e não é particularmente recomendada às parturientes de parto normal.

Contudo, você pode usar body e calcinhas de cintura alta pós-parto para ajudar na sustentação da coluna e diminuir os sintomas do puerpério, independente do tipo de parto que teve. É preciso ter atenção, no entanto, ao tempo que permanece com qualquer sistema de compressão.

As mulheres que usam a cinta para cesárea também devem ter cuidado com o uso. Jamais aperte demais a cinta ou permaneça mais tempo que o recomendado.

Quanto custa uma cinta dessas?

Como você já deve imaginar, uma cinta dessas não é nada barata. Elas costumam variar de preço entre os 100 e os 350 reais. Tudo depende do modelo, que pode ser com velcro, com outros tipos de fecho e até feito de forma que você consiga ir ao banheiro sem removê-la.

As cintas pós-parto são caras pois são feitas de material de alta qualidade, respirável e elástico, visando um cuidado específico com o corpo da mulher. Comprar uma cinta barata e que não é para essa finalidade pode ser prejudicial para a sua saúde, por isso nem pense em apostar em algo assim.

Quais os benefícios da cinta pós-parto?

Para quem fez cesárea, os benefícios são a prevenção do seroma, a diminuição das dores abdominais e da barriga em menos tempo. Usar a cinta pode também ajudá-la a reduzir o útero, que é um músculo, para que ele retorne mais depressa a sua posição fisiológica.

Como consequência, a sua barriga diminui, deixando a sua silhueta menor e facilitando o retorno ao número que você vestia antes de engravidar. Fora isso, não existem muitos mais benefícios no uso do produto. Inclusive, há poucas pesquisas científicas que comprovem esses resultados.

E quais os malefícios?

Usar cinta pós-parto por muito pode causar falta de circulação no local, levando a coágulos e varizes, por exemplo. Também não é muito bom para a flacidez, já que a cinta faz o trabalho dos seus músculos abdominais sozinha, fazendo com que os músculos em si não trabalhem. Por consequência, você pode até emagrecer mais rápido, porém ficará com a barriga flácida e terá de fazer mais esforço depois.

Além disso, usar a cinta sem recomendação de um médico ou usar uma cinta de má qualidade pode deslocar gorduras de uma parte para a outra do corpo. Você fica enxuta na barriga, mas passa a ter problemas em outras regiões, como nos glúteos, por exemplo.

Cinta postural para grávidas

cinta postural para grávidas

Durante a gestação, é comum que a mulher experiencie dores de coluna. Principalmente aquelas que estão acima do peso ou possuem uma estrutura óssea diminuta. O crescimento da barriga pode prejudicar a sua postura e até causar hérnias de disco.

Por isso, em alguns casos, o uso de uma cinta postural de gravidez pode ser recomendado pelo médico. Essa cinta abdominal funciona para aliviar o peso da barriga das costas e diminuir o desconforto da grávida.

Você encontra à venda em farmácias e lojas especializadas e o seu uso pode ajudá-la a prevenir problemas de coluna durante a gestação.

Como se livrar da barriga depois do parto?

Quem tem parto cesárea sabe o inferno que é voltar ao normal. O corpo demora mais tempo e o puerpério é mais complicado, podendo inclusive ser mais doloroso.

Contudo, isso não quer dizer que você nunca vá voltar ao seu corpo de antes da gravidez. Muitas mulheres se preocupam com soluções milagrosas quando o que podiam fazer no seus cotidianos é muito mais fácil.

A melhor forma de dizer adeus à barriguinha é voltar, pouco a pouco, a fazer exercício. Nada de esforço no puerpério, porém caminhar pode, viu?! E caminhar é um santo remédio! Emagrece, ativa a circulação, ajuda a desinchar e até faz você produzir mais leite.

Ficar muito tempo sentada no puerpério é mau, pois favorece o aparecimento das varizes e o aumento da gordura visceral. Ter uma boa alimentação é outro ponto importantíssimo para recuperar o seu físico de antes do bebê.

Aliás, a mulher que está amamentando precisa ter uma alimentação controlada para não interferir na saúde do bebê. Comer alimentos ricos em colágeno, como a gelatina, por exemplo, ajuda na melhora da elasticidade da pele. Mas procure unir alimentos com colágenos aos ricos em vitamina C, para uma melhor absorção.

Não se esqueça ainda de beber bastante líquido. A ingestão de água ajuda você a se sentir saciada, melhora a sua pele e contribui para a produção de leite. A mulher que amamenta precisa beber mais água que aquela que não passou pelo parto, por isso leve sempre uma garrafinha com você!

Quais exercícios posso fazer depois do puerpério?

exercícios pós-parto

O puerpério é o momento mais complicado, pois exige que você não se esforce muito, principalmente quem fez cesárea, por conta dos pontos. Mas assim que ele passa, você está liberada para se mexer.

Algumas mulheres voltam com suas tarefas normais mal passam 45 dias do nascimento dos seus bebês. Outras levam mais tempo. Isso vai depender muito de alguns fatores, inclusive se você já era saudável e ativa antes de engravidar.

Quando você for liberada por um médico e sentir que pode começar devagarinho, opte por exercícios aeróbicos fáceis, como a caminhada e o cycling ou o spinning. Caminhar e pedalar ajudam você a emagrecer e tonificar sem prejudicar o seu corpo.

Exercícios abdominais são essenciais para fortalecer a barriga e tonificar os músculos da região. Você pode fazer séries diárias, sem nem sair de casa ou pagar uma academia. Basta colocar uma roupa confortável e um colchonete no chão. Pode fazer abdominais normais, oblíquos, laterais e até prancha.

Pegue leve na intensidade e vá gradualmente aumentando o número de repetições. Quando estiver mais disposta, poderá iniciar os exercícios com pesos. A musculação é muito benéfica para a jovem mãe, afinal ela vai ajudar você a ter mais força.

Atividades alternativas

Para quem sai mais devagar do puerpério e precisa pegar leve, a dica é fazer yoga. A prática alternativa trabalha a sua força e a sua elasticidade, sem usar nenhum tipo de peso ou equipamento. Ela é excelente para a tonificação muscular e inclusive é recomendada para grávidas em geral.

Fazer hidroginástica e exercícios na piscina também é outra saída. Mas atenção quem tem cicatriz! Só pode optar por essas atividades quando estiver 100% liberada por um médico, já que a água pode contaminar o local da incisão.

Para as mamães que já estão livre de perigo, existem aulas específicas de pós-parto na piscina que são para a mãe e o bebê. Elas visam estimular o laço afetivo entre mães e filhos e melhorar a relação com o recém-nascido.

 

 

 

 

 

Crédito das imagens: Freepik