Ressarcimento ao SUS somou R$ 491 milhões apenas no primeiro semestre; Entenda

0
209
ressarcimento ao SUS
Ressarcimento ao SUS somou R$ 491 milhões apenas no primeiro semestre; Entenda (Imagem: Economia Bárbara)

A Agência Nacional da Saúde Suplementar, ANS, anunciou na última sexta-feira (09) o valor do ressarcimento ao SUS (Sistema Único de Saúde) em relação ao primeiro semestre. Tais repasses são realizados pelos planos de saúde e somaram R$ 491 milhões.

A realização dos repasses de ressarcimento ao SUS é prevista em lei e deve ocorrer anualmente. Ela se presta à ressarcir o sistema único quando um segurado de plano de saúde utiliza os serviços públicos.

Assim, o objetivo dele é auxiliar na manutenção do sistema público de saúde e sua realização é intermediada pela ANS. Então, veja abaixo maiores detalhes sobre o ressarcimento ao SUS.

Também veja: Tratamento de diabetes no SUS: novas terapias devem ser anunciadas em breve

ressarcimento ao SUS
Planos de saúde já repassaram ao Sistema Único de Saúde mais de 490 milhões de reais apenas em 2020, aponta boletim da ANS. (Imagem: JC – UOL)

Ressarcimento ao SUS: Planos de saúde repassam 491 milhões apenas no primeiro semestre de 2020

A realização de repasses de verbas para o sistema público de saúde é prevista na Lei 9.656/1998, conhecida como Lei dos Planos de Saúde. Ela determina que aos planos cabe ressarcir o SUS quando os segurados fizerem uso dos serviços deste.

Mas como isso é feito? Os planos de saúde mantêm um registro quanto aos seus segurados. Assim, a partir dele o sistema público promove a comparação entre quem são os beneficiários do plano e quem utilizou os serviços públicos.

A partir de então o plano de saúde é notificado para realizar o ressarcimento ao SUS. Ainda, é possibilitado ao seguro apresentar impugnação e recurso à cobrança e, caso não sejam acatados, cabe apenas a opção de realizar o pagamento.

Quais são os serviços mais procurados no SUS que geram cobranças aos planos de saúde?

Segundo um relatório apresentado pela ANS na 10ª Edição do Boletim Informativo, entre 2015 e 2019 os transplantes de rim, doenças de infecção bacteriana e cirurgias estão dentre os atendimentos que requerem internação que mais geraram cobranças aos planos de saúde.

Por outro lado, dentre os atendimentos ambulatoriais de média e alta complexidade se destacam a hemodiálise, radioterapia e acompanhamento pós transplante de órgãos.

A ausência de ressarcimento ao SUS gera aos planos de saúde a inscrição em cadastros de inadimplência, dentre outras consequências negativas.

Confira agora: Atenção primária é parte essencial do SUS e pode salvar vidas. Conheça mais sobre ela

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here