O que pode e o que não pode nas redes sociais para profissionais da Saúde

Existem diversas regras que regem o bom e ético uso de uma rede social por profissionais da área da Saúde. Veja agora quais são elas!

Para além das regras estabelecidas pelo CONAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária -, existem normas detalhadas pelos conselhos de cada profissão da área da Saúde que regem o bom e ético uso das redes sociais pelos profissionais.

E o SaúdeLAB vai te mostrar o que pode ou não pode fazer com relação à publicidade nas redes.

O que pode e o que não pode nas redes sociais para profissionais da Saúde

Em primeiro lugar, vamos elencar as regras estabelecidas pelo CONAR, presentes no Código Brasileiro, Anexo G.

O que pode fazer:

  • Anunciar especialidades admitidas nos ensinos profissionais e devidamente comprovadas pela ciência, assim como métodos e tratamentos já comprovados;
  • Ofertar diagnósticos e tratamentos desde que sejam no formato presencial;
  • Ofertar produtos que não requeiram exames ou diagnósticos de profissionais especialistas.

O que não pode fazer:

  • Anunciar cura de doenças sem comprovação científica;
  • Compartilhar o exercício de mais de duas especialidades;
  • Ofertar toda e qualquer atividade que seja proibida nos códigos de ética de cada profissão da área da Saúde.

Além disso, para propaganda de tratamentos (clínicos ou cirúrgicos) e serviços hospitalares, é necessário que a direção responsável seja mencionada, assim como se deve estar em pleno acordo com o que está estabelecido em órgãos responsáveis pela fiscalização em cada segmento.

O CFM atualizou as normas do que pode ou não pode fazer nas redes sociais

Até o dia 11 de Março de 2024, os profissionais de Medicina deverão se adequar às regras atualizadas pelo CFM – Conselho Federal de Medicina – com relação à publicidade nas redes ou mídias sociais.

A resolução foi publicada no Diário Oficial da União e pode ser acessada através dos canais digitais do Governo Federal.

Veja logo abaixo o que diz a resolução. Mas, em linhas gerais, as normas acabaram tornando mais livre o trabalho de publicidade dos médicos nos canais digitais.

O que os médicos podem fazer nas redes sociais:

  • Postar imagens dos instrumentos de trabalho, da clínica e do antes e depois dos procedimentos;
  • Divulgar localização ou endereço, informações de contato e valores;
  • Anunciar resultados positivos do trabalho, assim como indicar produtos medicinais;
  • Postar selfie com os pacientes – desde que haja a devida autorização do mesmo.

O que os médicos não podem fazer nas redes sociais:

  • Comercializar produtos;
  • Fotos de pacientes com identificação e sem autorização;
  • Publicar informações falsas sobre as vacinas, desaconselhando campanhas de vacinação;
  • Publicar autoafirmação de especialidade e a garantia de resultados.

Ou seja, deve-se sempre ter em mente que para qualquer tipo de criação de conteúdo na Internet, o bom senso é primordial, regido pela ética, transparência e clareza.

Veja como o SaúdeLAB pode te ajudar com a produção de conteúdo responsável

O Guia contém diversas matérias e artigos que podem te orientar para a produção de conteúdo digital responsável.

Estamos sempre atualizados com as últimas notícias e resoluções da área, ao mesmo tempo que nossos profissionais são engajados para a entrega de material simples, claro, transparente e ético.

Leia mais:

[better-ads type='banner' banner='46134' ]

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Consulte mais informação