Testes com CoronaVac sugerem que vacina é segura para crianças e adolescentes

Os resultados de testes ainda estão em sua fase inicial, mas são animadores quanto a eficácia e a segurança da vacina em crianças e adolescentes

0
vacina
Testes iniciais com CoronaVac sugerem que vacina é segura para crianças e adolescentes (Foto: Instituto Butantan)

Os especialistas apontam um caminho de prevenção do coronavírus em menor de idade. É o que testes iniciais com CoronaVac sugerem que a vacina contra o coronavírus é segura para crianças e adolescentes. A informação é da farmacêutica chinesa Sinovac, parceira do Instituto Butantan no desenvolvimento da vacina.

Os resultados de testes ainda estão em sua fase inicial, mas são animadores quanto a eficácia e a segurança da vacina em crianças e adolescentes.

Segundo Zeng Gang, pesquisador da Sinovac, os níveis de anticorpos gerados pela CoronaVac em crianças foram maiores do que aqueles que foram vistos em adultos de 18 a 59 anos e em idosos. O pronunciamento foi feito em uma conferência acadêmica em Pequim, na China.

Vacina em crianças e adolescentes

Foram realizados testes clínicos com 500 pessoas de idade entre 3 e 17 anos que receberam duas doses médias ou baixas do imunizante ou um placebo. A maior parte das reações adversas nos pacientes foi branda.

A dose menor induziu reações de anticorpos favoráveis em crianças de 3 a 11 anos, enquanto a dose média funcionou bem para os jovens de 12 a 17 anos. Os testes em estágio avançado da Sinovac no exterior ainda não foram feitas em menores de idade.

Coronavac Daniel Schludi (Unsplash)
Coronavac teve excelentes índices de eficácia na China (Foto: Daniel Schludi) (Unsplash)

A vacina

A vacina adsorvida covid-19 (inativada) é feita com o novo coronavírus (SARS-COV-2), com a cepa CZ02. Para a produção da vacina, o vírus é inativado, ou seja, substâncias químicas são adicionadas para que o vírus não seja capaz de causar doença. Ele fica como morto, porém possível de ser reconhecido pelo corpo. Depois, é acrescentado o hidróxido de alumínio, que é uma substância já bem conhecida como adjuvante para que a vacina induza proteção, ou seja, anticorpos, nas pessoas vacinadas.

Esta vacina foi produzida pela Sinovac Life Science Co. Ltd. e apesar de ainda não estar registrada no Brasil foi aprovada para uso emergencial.

A vacinação

Com a vacina adsorvida covid-19, o risco de uma pessoa ter a doença causada pelo vírus SARS-CoV-2 (COVID-19) é reduzido radicalmente. Entretanto, nenhuma vacina é completamente eficaz. Além disso, necessita-se de algumas semanas para que seja obtida uma resposta imune (proteção) adequada. Então, algumas pessoas podem ainda ter a doença ou a infecção mesmo tendo sido vacinadas, mas em uma forma menos grave da doença em função desta vacinação.

combate ao coronavírus
Covid-19 | Reprodução: Rawpixel

O vírus

O vírus que causa a COVID-19 transmite-se principalmente através das gotículas que são geradas quando uma pessoa infetada tosse, espirra ou expira. Estas gotículas são demasiado pesadas para ficarem suspensas no ar e depositam-se rapidamente em pavimentos ou superfícies.
Qualquer pessoa pode ser infetada ao inspirar o vírus se estiver a uma grande proximidade de alguém com COVID-19 ou tocar numa superfície contaminada e, em seguida, nos olhos, no nariz ou boca.

A eliminação do agente infeccioso SARS-CoV-2 começa antes de uma pessoa começar a exibir os sintomas e atinge o pico no início dos sintomas de quatro a seis dias após a infecção. A eliminação pode continuar por várias semanas após a resolução dos sintomas de uma pessoa; não há um prazo padrão.

Entretanto não existe uma regra única, pesquisas apontam que a liberação de partículas infecciosas do vírus SARS-CoV-2 de até oito dias após o início dos sintomas em pacientes hospitalizados, até 70 dias após o diagnóstico em uma pessoa imunocomprometida.

Contudo, o que de fato é esperado são estudos mais conclusivos e esses demandam mais tempo. Diante do que se sabe até o momento, a vacina é um caminho indicado para evitar maiores danos com a infecção pelo coronavírus.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here