Como tratar mau hálito: conheça causas e aprenda a cuidar e prevenir

184
mau hálito
Como tratar mau hálito: conheça causas e aprenda a cuidar e prevenir |Fonte Blogcentronatural

Ter um hálito agradável pode ser um desafio para muitas pessoas. Ainda assim, o mau hálito pode ser um fator desagregador e que gera constrangimento no convívio social. Afinal, o assunto é cercado de tabus e embora muitas pessoas acreditem que seja impossível tratar o mau hálito, a verdade é que problema apresenta solução com algumas medidas acessíveis e de baixo custo.

A propósito, o mau hálito, também chamado de halitose, pode ter várias causas e mediante suas causas, o tratamento é diferente.

Mas como tratar o mau hálito? Quais são as opções de tratamento? É sobre isso que vamos falar nesse artigo, confira!

Leia também: Projeção interativa convida população a combater as bactérias resistentes

mau hálito
Pessoas com mau hálito podem sofrer discriminação (Imagem: Abha.com)

O problema do mau hálito

O mau hálito é um tabu porque dificilmente se fala sobre isso. Ao contrário de outras doenças, há uma certa vergonha em se admitir que se tem mau hálito ou em tentar ajudar uma pessoa que tenha.

Porém, o mau hálito causa diminuição do convívio social, mexendo com a autoestima da pessoa.

Mas o mau hálito tem tratamento. Para entender como tratá-lo, a primeira ação é descobrir sua causa.

Causas do mau hálito

O mau hálito pode ser causado por diversos fatores. Mas, dentre as principais causas, podemos citar:

  • Origem bucal;
  • Origem estomacal;
  • Doenças sistêmicas;
  • Causas pulmonares ou respiratórias.
mau hálito como evitar
A principal causa do mau hálito é geralmente associada a problemas bucais locais (Imagem: IG)

Mau hálito de origem bucal

Cerca de 90% dos casos de mau hálito tem sua origem na cavidade bucal, ao contrário de que muitas pessoas pensam, que elegem o estômago como o principal problema. Mas não é, a principal causa do mau hálito é geralmente associada a problemas bucais locais.

A boca é o reservatório de várias espécies bacterianas. As bactérias se juntam, com restos de alimentos, formando a placa dentária, conhecida como biofilme.

De fato, o biofilme se forma na superfície dos dentes, na língua e também sobre restaurações ou próteses. Por isso, a higiene bucal é tão importante, porque quando o biofilme dentário não é removido adequadamente, ele é a causa de vários problemas bucais.

Os principais problemas bucais causados pelo biofilme dentário são:

1 – Gengivite e doença periodontal

A gengivite é a inflamação da gengiva. Nem todos os casos de gengivite evoluem, mas uma porcentagem evolui para a inflamação e perda do tecido ósseo que mantém os dentes no lugar.

Sabe aquela frase popular que diz “o dente ficou mole e caiu”? Dentes quando perdem o osso que os mantêm no lugar não ficam na boca. Isso é o resultado da doença periodontal ou periodontite.

gengivite
A gengivite pode ser prevenida apenas tendo uma boca higiene bucal e usando fio dental (Imagem: Luiz G Leite)

A doença periodontal é a segunda causa de perda de dentes na população adulta e é uma doença que pode ser prevenida apenas tendo uma boca higiene bucal e usando fio dental.

Em relação ao mau hálito, a doença periodontal produz odores característicos, que o dentista identifica com facilidade.

Portanto, se você não vai ao dentista regularmente, está na hora de agendar uma consulta com um profissional de sua escolha e passar por uma limpeza profissional.

A limpeza que o dentista faz, chamada de raspagem, consegue remover o biofilme endurecido, denominado tártaro, que a escovação não retira.

O tártaro não sai com a escovação pois é o resultado da calcificação do biofilme na superfície dos dentes.

Ou seja, o biofilme ficou tanto tempo na superfície dos dentes, sem ser removido, que a saliva calcificou-o naquele lugar. Somente a raspagem, feita pelo dentista, é capaz de remover o tártaro.

Finalmente, para prevenir a gengivite e a doença periodontal, escove seus dentes sempre após as refeições e utilize fio dental ao menos uma vez ao dia, além de visitar seu dentista ao menos uma vez por ano.

2 – Cárie

A cárie é uma doença que resulta na perda de mineral dos dentes, resultando em perda de parte do dente e até formam ‘buracos’ e provocam dores de dentes terríveis.

carie mau hálito
lesões de cárie também promovem um odor caracterítico na boca e devem ser tratadas | Imagem: Segredos dos mundos)

Quando essa perda de mineral chega até o tecido interno dos dentes, chamado de polpa, é necessário o tratamento de canal.

Por ter a participação de bactérias, lesões de cárie também promovem um odor característico na boca e devem ser tratadas.

O dentista remove a lesão de cárie utilizando um motor e brocas, então preenche a cavidade formada com um material restaurador.

Às vezes, a estrutura do dente já foi tão prejudicada que só pode ser substituída por uma coroa ou algum tipo de prótese.

Para prevenir lesões de cárie, escove seus dentes sempre após cada refeição e use o fio dental ao menos uma vez ao dia. Além disso, visite seu dentista ao menos uma vez ao ano.

3 – Língua

A língua é um grande reservatório de bactérias e restos alimentares. Isso porque a língua é composta por inúmeras vilosidades, como se fossem pequenos sacos, nos quais as bactérias e os restos de alimentos ficam armazenados.

limpeza da língua
A língua deve receber cuidados diários de higiene para evitar halitose (Imagem: O Popular)

Portanto, limpar a língua é fundamental e muita gente não faz isso. Os limpadores linguais são extremamente eficientes para remover a saburra lingual, que é a camada de bactérias e restos de alimentos que ficam na superfície da língua. Use -os com frequência para uma limpeza e higiene adequadas.

4 – Saliva

A saliva é essencial para manter a umidade das mucosas, bem como auxilia na remoção de bactérias. No entanto, há pessoas que possuem menor grau de salivação, com produção de saliva reduzida.

A diminuição do fluxo salivar é chamada de xerostomia. Assim, o mau hálito pode vir em consequência dessa baixa produção ou redução na produção de saliva.

produção de saliva
A baixa na produção de saliva pode causar mau háli5o (Imagem: Benestar Odonto)

De fato, a diminuição na produção de saliva pode ocorrer em função de doenças sistêmicas, como Síndrome de Sjögren ou em pacientes oncológicos, que fazem quimioterapia ou radioterapia.

Para esses pacientes, a utilização de saliva artificial pode ajudar. A saliva artificial é vendida em farmácias de manipulação e pode ser utilizada por esses pacientes sempre que sentirem que a boca está seca.

Além disso, beber bastante água é essencial para que você produza bastante saliva. Se você não tem o hábito de beber bastante água, adquira esse hábito!

5 – Próteses antigas

Pacientes que usam dentaduras há muito tempo e não retiram as próteses, nem fazem a limpeza das próteses podem apresentar mau hálito.

É importante lembrar que dentaduras devem ser sempre retiradas e limpas, todo dia. Isso porque as bactérias se aderem na resina que compõe a dentadura e ali também formam biofilme.

Por isso, se você usa dentadura, retire sua dentadura e a escove com uma escova dura.

Caso você já tenha essa dentadura há muitos anos, que tal agendar uma consulta com seu dentista e pensar em sua substituição? As dentaduras também têm prazo de validade, justamente pelo seu material, com o tempo, ir perdendo suas características físicas importantes.

6 – Câncer bucal

O câncer pode acometer a cavidade bucal. Inclusive, esse tipo de câncer acomete principalmente pacientes adultos, acima de 40 anos.

Lesões de câncer bucal também apresentam odor característico. Geralmente, o câncer bucal está ligado ao consumo de álcool e cigarro.

Lesões de câncer bucal são diagnosticadas pelo cirurgião-dentista, mas você pode fazer a sua parte sempre fazendo o autoexame bucal.

De frente ao espelho, observe sua língua, tanto na parte de cima, como nas laterais e na parte debaixo.

Com um dedo, puxe a bochecha e observe sua parte interna. Faça isso nos dois lados da boca.

O autoexame é uma excelente maneira de perceber qualquer alteração na cavidade bucal.

Lembre-se que uma lesão na cavidade bucal, que persiste por mais de 15 dias, deve receber atenção de um profissional cirurgião-dentista.

Assim, podemos perceber que a higiene bucal adequada, com a escovação feita de maneira apropriada, sempre após as refeições, o uso do fio dental, bem como a visita regular ao cirurgião-dentista, conseguem evitar e tratar as causas bucais locais do mau hálito.

Mau hálito de origem estomacal

O estômago possui válvulas que permitem seu fechamento completo. Portanto, as causas de mau hálito de origem estomacal ocorrem quando há presença de duas patologias, que são o refluxo gastroesofágico ou eructação (arroto).

Quando o paciente apresenta refluxo gastroesofágico, é necessário consultar um gastroenterologista, para fazer o tratamento adequado.

Nos casos dos arrotos, eles geralmente vêm acompanhado do consumo de bebidas gaseificadas, tais como refrigerantes, por exemplo.

mau hálito estomago
Há casos de arroto que podem estar associado há doenças do estomâgo (Imagem: Uol)

Reduzir o consumo dessas bebidas, bem como mastigar devagar, sem falar ou sem consumir bebidas durante as refeições, pode ajudar a reduzir bastante os arrotos.

Porém, caso os arrotos sejam muito frequentes, acompanhados de dor no abdômen, é importante buscar um diagnóstico médico adequado com o gastroenterologista.

Doenças sistêmicas

Algumas doenças causam um hálito característico em algumas situações. A principal delas é o diabetes. O diabetes, quando não bem compensado, causa um hálito cetônico característico.

O diabetes é uma doença causada pela falta ou redução da produção de insulina pelo organismo, ou ainda pela grande resistência insulínica.

A insulina é o hormônio no organismo responsável pela ponta entre a glicose no sangue e a célula. Quando em falta, a quantidade de glicose no sangue fica alta e sobrecarrega todo o organismo.

Em uma tentativa de melhorar o controle da glicose, quando muito alta, o organismo acaba sofrendo cetoacidose. Com isso, o hálito fica com odor cetônico característico.

Mas esse hálito cetônico só é presente em pacientes diabéticos quando a glicemia, ou seja, a quantidade de glicose no sangue, está muito alta.

Diabetes é uma doença que preocupa (Imagem: ATADH

Para prevenir esse problema, caso você seja diabético, controle bem sua taxa de glicose no sangue. Faça uma alimentação rica em legumes e vegetais, minimizando o consumo de alimentos ricos em carboidratos, como pães e massas.

Retire o açúcar da alimentação e faça atividades físicas. Além disso, faça medidas de glicemia constantemente e diariamente e tome as medicações indicadas pelo seu médico.

De fato, o diabetes é uma doença silenciosa, que pode causar muitos problemas ao organismo, tais como problemas de visão e nos membros, por exemplo.

Mas quando bem controlada, o paciente tem muita qualidade de vida e vida-longa, sem sequelas.

Outras doenças sistêmicas, tais como problemas renais ou problemas no fígado, também podem gerar mau hálito.

Nesse caso, consultar um médico para fazer exames é essencial.

Causas pulmonares ou respiratórias

Quem está com um caso de renite ou tem sinusite frequente, pode ter mau hálito. A sinusite é a inflamação das membranas que revestem os seios da face, que são pequenas cavidades existentes no crânio.

Há pessoas que possuem sinusite crônica. Nesses casos, é importante passar por um otorrinolaringologista, que examinará o caso e passará o tratamento adequado. A Sinusite é tratada geralmente com antibióticos.

Outro problema das vias aéreas são as tonsilas (amígdalas) inflamadas, que também podem produzir odor característico.

Nesse caso, o uso de antibiótico prescrito pelo médico pode resolver o problema. Outros situações pulmonares também podem ser a causa do mau hálito.

O fumo causa danos graves ao pulmão e ao hálito (Imagem: Freepik)

Nesse grupo podemos citar os fumantes. Eles têm hálito característico devido a exalar os produtos do fumo pelas vias aéreas.

Não há, de fato, nenhuma vantagem em ser fumante: além de você aumentar sua chance de ter vários tipos de câncer, o fumo ainda faz com que você tenha mau hálito.

Portanto, a melhor ação é parar de fumar. Sua saúde vai agradecer.

Como tratar o mau hálito?

Conforme já explicamos, o tratamento do mau hálito passa primeiramente em se descobrir sua causa. Existem ainda alguns alimentos que pioram a halitose.

Alguns alimentos que pioram o hálito (Imagem: shutterstock)

Caso a causa seja problemas bucais locais, o cirurgião-dentista é o profissional mais adequado para estabelecer o correto tratamento, o qual pode incluir limpeza e substituição de restaurações e próteses.

Já causas sistêmicas precisam de tratamento médico. Doenças como diabetes necessitam de cuidado diário e tratamento adequado, com alimentação apropriada, atividade física regular e medicamentos.

Portanto, visite um médico para receber o correto diagnóstico e o tratamento adequado no caso de outras doenças sistêmicas e problemas pulmonares.

Como evitar o mau hálito?

A halitose pode ser evitada. Com algumas ações simples, você pode evitar ter o problema.

Confira!

  • Escove seus dentes frequentemente, utilizando fio dental diariamente;
  • Use limpadores de língua;
  • Visite seu cirurgião-dentista para avaliação e limpeza profissional ao menos uma vez ao ano;
  • Faça sempre o autoexame bucal;
  • Faça os tratamentos indicados pelo seu cirurgião-dentista;
  • Beba ao menos 2 litros de água diariamente;
  • Se tem diabetes, cuide da sua glicemia, com alimentação adequada, atividade física, medindo a glicemia constantemente e tomando suas medicações;
  • Se apresenta problemas de estômago, faça o tratamento adequado;
  • Evite bebidas gaseificadas, como refrigerantes;
  • Não fume.

Por fim, considere a saúde bucal e inclua-as na rotina diária. Como já diz o senso comum, saúde começa é pela boca.

Gostou desta matéria? Acompanhe nossas redes sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Pinterest.

Deixe seu comentário

Grupos do SaúdeLab

SaúdeLab no WHATSAPP
SaúdeLab no TELEGRAM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here