Ômega 3 e Diabetes: Tudo Que Você Precisa Saber!

Entenda porque a relação entre ômega 3 e diabetes é tão importante.

ômega 3 e diabetes

Ômega 3 e diabetes podem parecer duas coisas completamente sem conexão. Mas a verdade é que o ácido graxo desempenha um papel importante no organismo de quem tem a doença e de quem deseja preveni-la.

A diabetes do tipo 2 é a forma mais comum da doença e infelizmente os números de pessoas com o problema só tem aumentado. Até hoje é difícil prever e definir que uma pessoa vá desenvolver a doença.

Além dos fatores genéticos, uma dieta balanceada e atividade física são essenciais para evitar a diabetes. Cada vez mais tem se relacionado o consumo de peixes com a diminuição de problemas cardiovasculares, um dos principais fatores de risco da diabetes.

No caso, ácidos graxos como o ômega 3 têm sido investigados como benéficos para evitar a doença. O consumo de ômega 3, ou a sua ingestão, é associado à redução da glicemia em jejum e à melhora da tolerância a glicose.

Alguns estudos inclusive relacionam a baixa incidência de diabetes à ingestão de peixes e frutos do mar, grandes fontes de ácidos graxos. Por isso, se você sofre com diabetes, pode ser uma boa ingerir ômega 3, sempre sob a tutela de um profissional médico é claro.

Qual a relação entre ômega 3 e diabetes?

Ômega 3 e diabetes tem mais em comum do que você pensa! Como você viu acima, o ômega 3 é bom para quem tem diabetes. Ele também é essencial na dieta da pessoa que está com pré-diabetes. O seu consumo pode melhorar e muito a sua saúde e a sua qualidade de vida.

Um estudo realizado na Universidade de Minnesota mostrou que ômega 3 e diabetes tipo 2 estão mais que relacionados. Na investigação, os cientistas descobriram que quem ingere ácidos graxos diminui os riscos de ter a doença ou de agravá-la.

Por isso, dizer que o ômega 3 é bom para diabetes está correto. O ácido graxo é bom para muitas coisas, na verdade, ele reduz o seu colesterol, ajuda a controlar a insulina no sangue, ajuda a emagrecer e até pode atuar na melhora da sua memória.

Inclusive, entre os benefícios mais reconhecidos desse ácido graxo poli-insaturado destacam-se os que atuam no cérebro e no sistema cardiovascular. Mas atenção! Não é qualquer óleo ou peixe que você vá consumir que trará todas essas vantagens.

Onde encontrar o ômega 3?

onde encontrar ômega 3

O ômega 3 é um ácido graxo e por isso muita gente o confunde com gordura. Porém, não é bem assim. Os ácidos graxos são divididos em três variedades: ácido alfa-linolênico (ALA), ácido eicosapentaenoico (EPA) e o ácido docosahexaenoico (DHA).

O EPA e o DHA são encontrados na maior parte dos peixes e frutos do mar, como ostras e camarão. Já o ALA é de origem 100% vegetal e está presente em sementes como a chia e a linhaça. E convém que você saiba que o ALA precisa ser convertido nos outros dois para ser absorvido no organismo.

Infelizmente, somente uma parcela pequena do ALA consumido se transforma em EPA ou DHA, então você precisa consumir peixes e óleo de peixe se deseja ingerir ômega 3 naturalmente. O nosso corpo não produz ômega 3 sozinho, por isso ele é considerado um ácido graxo essencial.

Quando comemos alimentos ricos em ômega 3, favorecemos o desenvolvimento lipídico das células. Isso faz com que elas se renovem e se reproduzam com mais agilidade e qualidade. É por essa razão que a substância é famosa por fazer bem para o cérebro e a memória.

Isso também é bom para quem tem diabetes, afinal uma das consequências da doença é a baixa imunidade e dificuldade na cicatrização. Ter uma dieta rica em peixes também ajuda a aumentar a sua expetativa de vida!

A maior parte dos estudos sugere que a ingestão do alimento deve ser semanal. Você não precisa comer peixe todos os dias para ficar mais saudável e se proteger dos efeitos da diabetes. Bastam algumas porções duas a três vezes por semana.

Também é possível fazer a reposição da substância através de suplementos alimentares.

Quanto consumir por dia?

A Sociedade Americana do Coração recomenda pelo menos quatro gramas diárias de ômega 3. Contudo, a quantidade é vista de forma polêmica entre médicos e especialistas na área. O ideal é não ultrapassar os três gramas diárias. É preciso ter cuidado porque o excesso de ômega 3 faz mal.

Ingerir muitos alimentos com a substância pode até mesmo aumentar o colesterol ruim e causar hemorragias. O ômega 3 possui propriedades que fazem com que o seu sangue não consiga coagular corretamente.

Além disso, a substância está associada, nos homens, ao câncer de próstata. Também existem pesquisas que mostram que tomar muito ômega 3 pode causar um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Claro que estamos falando de doses muito elevadas!

É pela mesma razão que a suplementação com cápsulas de ômega 3 ou óleo de peixe deve ser feita com muito cuidado. A maior parte dessas suplementações é recomendada apenas para mulheres que estejam no período gestacional.

Diabéticos em especial precisam ter cuidado com o excesso de ômega 3 no organismo. Procure manter a sua dieta em dia comendo de duas a três porções de peixe por semana. Os comprimidos devem ser tomados apenas sob orientação médica.

Fatores importantes para se proteger da diabetes

prevenir diabetes

O consumo de ômega 3 é muito importante para diabéticos e pré-diabéticos. Todavia, apenas isso não vai curá-lo ou protegê-lo de todo da doença. Quem está a caminho de se tornar diabético precisa mudar muita coisa na sua rotina.

O problema nunca mora apenas na alimentação, ele está relacionado com um conjunto de maus hábitos que você vai adquirindo a vida toda. Além disso, é crucial que você tenha uma vida mais saudável para que o ômega 3 atue da forma mais adequada no seu organismo.

Portanto, há alguns fatores que você precisa se considerar se se encontra com diabetes. O primeiro deles é o exercício físico. O mínimo recomendado por profissionais de saúde do mundo todo é praticar 30 minutos por dia. Você pode nadar, caminhar, correr ou fazer yoga. Tanto faz qual a atividade o importante é se mexer e não ficar parado.

O exercício físico por si só já reduz bastante os riscos cardiovasculares e ajuda você a estabilizar os níveis de glicose no sangue. Procure fazer com a maior frequência possível. Você pode também ter outras atitudes como trocar o elevador pelas escadas. Todo pequeno esforço conta.

Uma alimentação mais saudável não é sinônimo apenas de comer mais peixe. É preciso cortar os doces, o excesso de carboidratos e de gorduras. O diabético precisa ter uma alimentação bastante controlada a fim de evitar crises de hipo ou hiperglicemia.

Comer legumes, frutas oleaginosas, frutas e grãos é essencial para que haja um equilíbrio e uma alimentação balanceada. Apesar de a chia e a linhaça serem ricas em um tipo de ômega 3, lembre-se que não é o tipo mais importante para o organismo.

 

Fonte: Revista Exame

Crédito das imagens: Freepik